A arte de escrever de Beti Rozen

Nereide Santa Rosa

Beti Rozen é mais uma brasileira de sucesso nos Estados Unidos. Sua surpreendente carreira foi o tema da entrevista deste mês. Uma escritora que comemora uma carreira vitoriosa com prêmios e reconhecimento internacional. Sua perseverança, envolvimento e a busca incessante por novos desafios fizeram com que Beti se tornasse uma personagem que se confunde com a literatura brasileira nos Estados Unidos. Atualmente atua no comando do programa Mostra Sua Cara Kids, seus versos são musicalizados e continua publicando novos livros. Um exemplo de mulher escritora que conquista e assume seus espaços. Conheçam mais sobre Beti Rozen.

Nereide Santa Rosa: Conte um pouco de sua história de vida até ser uma escritora brasileira de sucesso nos Estados Unidos. Até que ponto as suas experiências pessoais influenciaram a sua obra literária?

Beti Rozen: Comecei escrevendo poesias no Brasil e, com o boom da literatura infantil, resolvi escrever livros infantis e meu primeiro livro foi editado em 1984, depois do de poesias, em 1982. Depois publiquei dois outros livros, para jovens e crianças. Muita batalha no início, batendo na porta de editoras, vendendo livros em bares/restaurantes no Rio de Janeiro. Buscando patrocínio para meus livros, como foi o caso de “Diário de Uma Jovem em Israel”, que foi patrocinado por uma agência de viagens e distribuído aos passageiros que viajavam para Israel. Até o meu livro “Robinho, o Robozinho e outras Histórias” foi distribuído nas excursões da Cidade da Criança e adotado em escolas no Rio de Janeiro. Um dos contos foi traduzido para o chinês e hebraico e publicado em revistas infantis na China e Israel. Outro conto do livro foi adaptado para teatro e esteve em cartaz no Rio. Isto tudo através do meu networking e também batendo em portas. Morei em Israel e lá batalhei bastante. Tive um poema traduzido para o hebraico e um conto editado na revista Pilon. Depois de todo o meu trabalho no Brasil e em Israel, vim para os Estados Unidos com um título que gostaria de editar e conheci meu marido Peter Hays, também escritor, que na época somente escrevia peças de teatro, e juntamente com um outro sócio, que não está mais na parceria, criamos a Sem Fronteiras Press para editar este livro. Foi uma edição bilíngüe, português e inglês e adaptado para o português de Portugal. Aí começou a nossa trajetória pelas comunidades brasileiras e portuguesas. Mais tarde, editamos o mesmo livro reilustrado em inglês e depois começamos as parcerias com editoras no Brasil e foi lançado “Um Coração a Procura de Abrigo” adaptado ao português do Brasil. Lançamos outros livros em inglês e vendemos direitos para editoras do Brasil mesmo porque começamos a visitar muitas feiras de livros internacionais e divulgar nossos livros. Em uma destas feiras conseguimos vender direitos para dois de nossos títulos em espanhol para a Colômbia. Assim minha carreira já estava em diversos países. Minhas experiências pessoais têm muita influência nos meus livros. O que vejo, minha família, minhas viagens, meu mundo interior, minha vida de imigrante, como os livros “Dois Continentes, Quatro Gerações” e “Sem Palavras”.

NSR: Como você escolhe o tema de seus livros? 

BR: Baseados em várias experiências da minha família, imigrante, minha vida em Israel, o que aconteceu com meu filho, e um em especial “Annabelle: Uma Criança a Caminho” uma inspiração baseada num bebê que não vingou, aborto espontâneo. O livro “Temos que Encontrar o Froggy” foi baseado numa experiência que aconteceu com nosso filho na Califórnia.

NSR: Os seus livros em português são muito apreciados pela comunidade brasileira nos Estados Unidos. Dê a sua opinião sobre o uso de seus livros em projetos que envolvem o ensino de Português como Língua de Herança.

BR: Os nossos livros em português são muito utilizados, além do Brasil, nos Estados Unidos em escolas da Flórida e outras. Creio que com a minha experiência de vida e vivendo quase 30 anos nos Estados Unidos, tenho histórias que se adaptam muito a realidade das crianças que vivem aqui e dos pais delas também. Mas alguns temas são universais e gosto muito de mensagens positivas e educativas. Muitas são espiritualizadas, mas sem tratar de religião. É muito importante passar esta mensagem hoje em dia, pois me preocupo muito com o materialismo excessivo. Isto é tratado no meu livro “A Heart Alone in the Land of Darkness” (Um Coração a Procura de Abrigo). O livro “Without Words” (Sem Palavras) trata da adaptação de um menino que veio do Brasil e tenta se adaptar nos Estados Unidos. Muitos pais e filhos se identificam com isto.

NSR: Quais são os seus planos para o futuro? 

BR: Meus planos para o futuro seriam cada vez mais ajudar as novas gerações com meus livros, sempre editando novos, fazendo peças de teatro e gostaria de fazer um filme com um de meus livros. Mas isto tudo, só Deus sabe. Podemos fazer planos, mas temos que ser flexíveis pois a Terra está passando por um processo de regeneração, e tudo muda de repente. Espero que meus livros criem leitores e transmitam sempre mensagens positivas. No programa Mostra sua Cara kids tento divulgar a literatura infanto-juvenil, pois entrevisto educadores, ilustradores e escritores. Todos que contribuem para esta literatura ficar cada dia mais forte.

NSR: Mande uma mensagem aos nossos leitores.

BR: Para os pais: leiam para seus filhos, sempre estimulem a leitura. Para os filhos: leitura pode ser uma coisa divertida, podem acompanhar esta era tecnológica, mas nunca esqueçam que ler um livro também pode acompanhar um vídeo game. Tudo é válido! Mas ler livros também pode ser uma atividade que possa dar prazer. Aí estão uma diversidade incrível de escritores, ilustradores, livros interessantes para serem lidos.

About Jornal Brasileiras & Brasileiros