A mulher foi criada de uma costela do Adão

Yara Cavagnac

A cada geração a mulher vem se aprimorando, se destacando e ampliando sua capacidade, suas características e racionalidade. Nasci em São Paulo, mulher forte e trabalhadora, isto aprendi com os meus pais que, por ser filha única, me mostraram o quanto eu seria capaz de me realizar profissionalmente, pois cada um ocupava cargos importantes e queriam que eu fosse capaz de me manter quando se fossem.

Muito cedo comecei a trabalhar, como recepcionista de uma galeria de artes.

Ao entrar na ESPM – Escola de Propaganda e Marketing, fui trabalhar em uma pequena agência de propaganda atendendo grandes clientes, como C&A. Fiz o pós na GV e rapidamente fui para grandes agências como McCann Erickson, ALMAP/BBDO atendendo grandes clientes. Evoluindo na minha carreira, trabalhei na Editora Abril, Editora Globo e TV GLOBO.

Como se tornar independente, forte, batalhadora e amorosa

A surpresa é que no meio deste percurso veio o primeiro casamento e a primeira filha. Organizar este quebra cabeça, filha, marido, emprego e vida social foi o meu maior desafio. E quando as peças estavam encaixadas, chegaram mais 2 filhos, uma menina e um menino. Ser mãe foi a grande realização da minha vida. Aprendi naquele momento que teria que ter minha organização familiar estruturada.

Os filhos cresceram, se ocuparam com suas próprias vidas e foi o que me permitiu vir com meu segundo marido, Jo Cavaignac para a América, em Janeiro de 1998. “Aí o bicho pegou”. Começar tudo de novo e dividida ao meio emocionalmente. Deixei 2 filhos no Brasil, muitos amigos e parentes. A consolação foi a vinda da filha do meio com o marido e minha neta maravilhosa. É neste momento que você tem que se fortalecer ainda mais, para se adaptar aos hábitos diferentes, língua diferente e sem as mordomias brasileiras. Acordar mais cedo, limpar e organizar a casa, reorganizar a sua vida e ir para o trabalho “sem deixar a peteca cair”.

Lançar com o Jo Cavaignac a Globo Internacional na América foi o JOB mais intenso que recebi. Sim, o trabalho que o Senhor nos entregou me ensinou a ser ainda mais organizada e usar uma das capacidades femininas mais importantes que temos, a racionalidade.

Conhecemos pessoas incríveis, muitos deles se tornaram nossos amigos. Nossa casa se tornou um lugar de Jam Session, pois o Jo é músico e durante o lazer é um tremendo chef na cozinha.

E os filhos? Ah os filhos, geraram filhos e minhas viagens aumentaram, afinal, quando a saudade grita, tenho que ir lá beijar muito!

Não tenho nada a reclamar, tenho é muito para agradecer ao Nosso Pai Soberano por ter me tornado esta mulher que sou .

Parabéns mulheres, cada vez mais assumimos o nosso espaço.

Gratidão é minha palavra de ordem!

Viva a costela do Adão!