Ano Perdido ou Renascimento? Um enfoque educacional.

Jean Chamon

Muitos de nós temos levantado questões preocupantes em relação ao andamento do ano escolar e ao aprendizado das crianças em tempos de quarentena. No artigo deste mês, gostaria de compartilhar com vocês algumas considerações.

No Brasil, infelizmente não contamos com uma rede de internet bem distribuída em todo o território nacional e algumas questões que envolvem o cotidiano, bem como a quantidade de dias letivos ainda não estão bem solucionadas nesse período de crise. Os governos não têm enfrentado a crise, do ponto de vista educacional, de uma forma única e contínua. Outra barreira, é que o ensino online, chamado EAD no Brasil, enfrenta questões culturais e de aceitação sendo considerado um modelo de ensino acessório.

Aqui nos Estados Unidos, vejo uma maior maturidade e compreensão quando se fala do ensino online e da adaptação curricular nesse período de crise. Aqui o homeschooling é uma opção feita por muitas famílias e os sistemas de gestão de aprendizado, os chamados LMS, estão disponíveis em muitos condados. Culturalmente aqui é comum cursar várias disciplinas de forma virtual e a instituição/escola decide como aplicar. Muitas disciplinas são híbridas. Vejo que o governo tem atuado de forma uníssona para solução dos problemas educacionais e mais uma vez vejo o voluntariado e o empresariado parceiro da escola.

Entretanto, nosso intuito não é comparar a realidade norte-americana com a brasileira e sim pensar em como podemos sair mais fortalecidos desse processo.

Alguns pensadores colocam que períodos difíceis formam pessoas fortes, gostaria de ir um pouco mais fundo: períodos difíceis formam pessoas mais fortes, libertas e felizes pois aprendemos a valorizar coisas simples e cotidianas. Por exemplo, lembro-me sempre da infância no Brasil e que ao final dos anos 80 sofremos um período de hiperinflação e escassez de produtos. Naquele período, tivemos escassez de carne bovina, por conta do tabelamento de preços e boicote dos produtores. Fato é que me lembro até hoje quando saboreio um bom bife. Nesse período aprendi a valorizar muitas coisas básicas e até hoje tento seguir nessa linha de pensamento. Atividades simples tornam as pessoas mais felizes.

Tenho um grande amigo que fala que em situações de crise financeira poderemos sempre contornar a situação. Porém ele afirma que a única coisa sem solução e sem volta é quando perdemos o período de desenvolvimento e crescimento dos nossos filhos. Esse é o primeiro ponto positivo que vejo nesse período de recolhimento. Aproveitar o tempo em família. A quarentena vai passar e devemos deixar boas marcas e lembranças.

Estamos muito preocupados como ficará o desenvolvimento escolar das crianças sem um devido acompanhamento presencial dos professores. Primeiro ponto a se observar, para quem rodou a chave escolar para o ensino online é que essa geração de crianças e adolescentes é formada 100% de nativos digitais. Para eles ensino online ou presencial são equivalentes e às vezes o online é mais atrativo pelas trilhas de aprendizagem desafiadoras, ensino por jogos e inteligência artificial utilizada em muitos sistemas de ensino online LMS.

Nunca antes tivemos a oportunidade de estarmos tão próximos, de uma maneira tão intensa e constante dos nossos filhos. De forma involuntária e muitas vezes imperceptível estamos diariamente ofertando aulas de culinária, jardinagem, marcenaria, economia, STEAM, P.E, inteligência emocional, boas maneiras, organização e ensinando por meio de contação de histórias, fatos marcantes da história e de nossas vidas, criando uma conexão única. Nos tempos antigos, a educação era feita dessa maneira, passada de pais para filhos.

Nosso intuito não é convencer que estamos vivendo um ano maravilhoso e sim tentarmos olhar o lado positivo de tudo isso. A infância é um período que não retornará e com a quarentena podemos aproveitar os nossos pequenos de uma forma nunca antes feita. Aproveite esse período para criar um elo familiar que certamente se estenderá pelo resto de nossas vidas. Foque no positivo e aja positivamente.

JEAN MARCEL CHAMON
• MBA e especialista em Gestão Universitária com 19 anos de experiência na área da educação. • Sócio fundador da UNIFLUENT.
• Diretor da Central Florida Brazilian American Chamber of Commerce – CFBACC  • Conselheiro, Ex-presidente do Conselho e Ex-diretor executivo da Associação Nacional dos Centros Universitários ANACEU. • Ex-Diretor de Relações Institucionais e Conselheiro do Conselho Regional de Administração do DF – CRA/DF  • Autor e editor de publicações na área de gestão e políticas públicas da educação. Jeanchamon@gmail.com