APOSENTAR, UM DESEJO, UM SONHO! – por Nilson Dizeu

Nilson Dizeu

Nos primeiros meses de aposentado, voltei à antiga firma, onde trabalhei por décadas, para rever os amigos. Na entrada, encontro Anselmo, dou bom dia e pergunto como vão as coisas? Tudo indo, ficou pitando sua cigarrilha, e só. Entrei e todos estavam em suas mesas ocupados. Foi quando Telminha se aproximou e disse: “tá cheio de novidades, mas não dá pra conversar agora, quer um cafezinho? Entendi e saí sem esperar o café. E juro, nunca mais voltei. Comecei a me dar conta que eu já não chefiava mais nada ali, e será que tinha deixado amigos ou só colegas? Me senti um estranho no ninho e não me senti bem. De volta pra casa, passei no shopping e nada achei que me agradasse,  comprei umas empanadas e volvi. Lar doce Lar!

Não tinha ninguém a não ser a empregada…

Dona Jô, cadê o povo dessa casa?     

“Saiu, doutor. O senhor vai almocar agora?” Não, vou esperar a turma voltar.

Laconicamente ouvi: “eu acho que não vão voltar tao cedo”.

Nada falei, fiquei a analisar. Claro, eu nunca almoçava em casa.

Como gerente de uma empresa de vendas, não me deixava tempo nem nos finais de semana de curtir a garotada e vê-los crescer. Eram promoções e mais promoções. E, o herói aqui sentiu dúvida pela primeira vez. Será que eu tinha feito um bom negócio?

Nunca tinha gozado umas férias…falta de tempo ou planejamento? Meu negócio era ganhar dinheiro. Economicamente tinha alguns imóveis: meu “pa” à beira mar, algumas lojas alugadas, uma casa modesta, mas confortável, na praia onde morava um tio de minha consorte; um cara legal, funcionário aposentado do estado, adepto da pesca e da caninha, que sabe como é, uma mão lava a outra, pois éramos sócios num barquinho de pesca e, eu nem sabia. Ele é que levava a vida de aposentado mesmo. Juro que pela primeira vez morri de inveja de alguém, pois morando e curtindo aquele paraíso era tudo de bom. Quando o pagamento da minha primeira parcela da aposentadoria foi depositada no banco, veio a dura realidade: como vou viver com isso?

Voltei à juventude…, não remoçando, claro! Mas, comecei a procurar emprego novamente.

Aí você já está em outra categoria. Ninguém que você comenta estar pensando em voltar ao dia a dia, acredita. Muda de assunto e te serve um cafezinho. Uma coisa eu garanto, que não era isto que pensava sobre aposentadoria. Te juro!

Nilson Dizeu e seu famoso Acordeom