CASAMENTO SEM FILHOS

Marilza Piovesan De Lorenzo

Quando nos casamos, eu ainda estava na faculdade. Decidimos esperar um pouco, o tempo foi passando e os filhos não vieram; vieram, então, as frustações e as cobranças.

Fui entendendo que não nasci para ser mãe, e aí tudo ficou mais fácil. Quando começaram a chegar meus sobrinhos, percebi qual era minha verdadeira vocação: ser TIA. Amo ser tia, amo ser chamada de tia, esta palavra soa como música para meus ouvidos. 

Com os sobrinhos, tudo se tornou mais fácil. Não posso dizer que transferi o amor de mãe para o de tia, porque o amor a gente não transfere, mas esse amor por eles tomou dimensões gigantescas, isso tornou a nossa vida mais leve. Não nos arrependemos de não ter tido filhos, aceitamos e somos bem resolvidos com essa questão. Enfrentei desaprovações da família e dos amigos que sempre faziam o mesmo comentário: “Você vai se arrepender por não ter tido filhos quando chegar a velhice”.

Sempre fui muito consciente da situação, sempre respondia a mesma coisa: quando Deus quiser vai chegar. Lidamos com muita sabedoria e tranquilidade, deixando nas mãos de Deus a decisão. Isso nos ajudou bastante.

Cobranças sempre existem. Quando o namoro vai se tornando mais sério, já começam as especulações, se vai sair casamento…quando marcamos a data do casamento, começam as perguntas, vai querer filho logo? Quantos filhos você vai querer? Prefere menina ou menino? A lista de perguntas pode ser enorme. Quando os anos vão passando e nada de filhos, as cobranças ficam mais chatas.

Uma cobrança que magoa muito quando somos jovens. A sociedade em que vivemos sempre está cobrando alguma coisa, isso acontece, e sempre vai acontecer, o que precisamos é ser forte e saber lidar com a situação. Sempre ter em mente que devemos enfrentar as cobranças com sabedoria e devemos sim, ter o poder de decidir se queremos ou não ter filhos.

Filhos, com certeza, enriquecem ainda mais o relacionamento, a cumplicidade entre o casal, mas creio também que essa união se fortalece mesmo sem os filhos. Tudo vai depender da sintonia, do entendimento entre o casal, com respeito e amor em relação às decisões tomadas por ambas as partes.

______________________________________________________________________________________________

Marilza Piovesan De Lorenzo – Formada em História e Geografia, com pós graduação em Metodologia do Ensino.  Lecionou no Brasil, antes de se mudar para o Estados Unidos. marilza.pl@hotmail.com

About Jornal Brasileiras & Brasileiros