Procurar por:
GENTILEZA ATRAI… GENTILEZA!

Eliana Barbosa

Você já se deu conta do quanto fica satisfeito quando alguém é gentil com você e como isso lhe causa uma sensação de que é importante e tem valor? 

Aí eu lhe pergunto: Se é tão bom pra você ser bem tratado, por que você deixa passar tantas oportunidades de ser gentil com os outros? 

Veja aqui, então, 8 dicas para que a gentileza faça parte do seu dia-a-dia: 

  • Se você quer ser apreciado e respeitado, você precisa dar o exemplo. Muita gente passa a vida sozinha porque acha que para oferecer alguma coisa – afeto, respeito, dinheiro, amizade, etc… –  é preciso receber primeiro. Grande engano! 
  • Procure ter pensamentos e sentimentos de gratidão, que são excelentes ferramentas para suavizar suas expressões e deixá-lo mais aberto ao sorriso, que é o que mais cativa os outros. 
  • Fique de olho nas oportunidades sinceras de elogiar as pessoas ao seu redor, criando em torno de vocês um clima amistoso e agradável. 
  • No trânsito, pare de cobrar gentileza dos outros, sendo você mesmo o modelo de cordialidade e paciência. 
  • Nas filas – de banco, supermercado, postos de saúde, onde for -, ao invés de ficar com cara feia e reclamando de tudo, procure motivos para uma conversa amena; comente, por exemplo, sobre o quanto é bom ter ar condicionado naquele ambiente, como é confortável poder aguardar o atendimento sentado, algo que faça com que as pessoas à sua volta se sintam melhor. 
  • Se for visitar alguém em um hospital, nada de negatividades e nem comente como a pessoa emagreceu ou está pálida.  Entenda que aquela pessoa que está passando por provações e medo precisa de otimismo, de fé e força e, então, seja um  mensageiro de esperança.   
  • Por onde andar seja cordial com as pessoas – abra um sorriso e movimente a cabeça em um cumprimento. Já pensou quantas energias benfazejas irão retornar pra você? 
  • E, no final do seu dia, faça uma autoavaliação: Hoje, como ficaram as pessoas  depois de conversar comigo – mais alegres e otimistas, ou rancorosas e preocupadas? Essa resposta vai lhe dizer se você é uma pessoa comprometida com o bem, e se for, certamente já está atraindo para sua vida indivíduos que, como você, são dedicados a fazer deste mundo um lugar melhor para se viver!  

Pense nisso com carinho!

(Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento e palestrante motivacional – https://linktr.ee/elianabarbosapsicoterapeuta )

8 dicas poderosas para lidar com a “montanha russa” da vida

Eliana Barbosa

Na vida, uma hora a gente ganha, em outra a gente perde. Normal. Porém, a forma como encaramos cada etapa é que faz a diferença.

Por isso, compartilho aqui como você pode lidar com os naturais altos e baixos da vida:

1. Sem dramas

Nada de se ‘descabelar’ diante das crises. Nesses momentos, ter autocontrole vai lhe trazer clareza para encontrar a melhor solução. 

2. Plano B

Em seu cotidiano, seja sempre otimista, esperando o melhor, mas também realista, preparando-se para o pior (caso aconteça). Ou seja, tenha sempre um Plano B, para cada área de sua vida. 

3. Ganhos e perdas

Entenda que mudar faz parte do jogo da vida, e se você não decidir mudar por conta própria, acabará mudado pelas circunstâncias. Então, prepare-se para os ganhos e as perdas inerentes às mudanças. Quanto maior o preparo, menores as frustrações!

4. Chega de usar “mas…”

Para vencer nesse jogo, é preciso que você dê um basta às desculpas que o impedem de agir. Pare de ficar dizendo: “… mas isso é difícil!”, “…mas não vou conseguir!”, “…mas ele não me valoriza!”

5. Mude suas perguntas

Ao invés de ficar se perguntando “Por que isso aconteceu comigo?…”, “E se eu tivesse sido mais amado?”…, saia do passado – que você não pode mudar -, e mire-se no futuro: “O que eu posso fazer para isso não acontecer mais?” ou “Como posso expressar meu amor por mim mesmo?”

6. Gratidão

Em tempos de ventura, agradeça e desfrute das bênçãos. Em tempos de crise, coloque foco naquilo que, apesar de tudo, ainda está bem em sua vida, valorize cada acontecimento e seja grato! Tudo passa mais rápido quando você para de reclamar do que falta e começa a agradecer por tudo que tem. 

7. Perdão

Para se libertar de uma fase ruim e caminhar para tempos felizes, disponha-se a perdoar – a si mesmo por escolhas erradas e àqueles que o feriram ao longo da vida. Lembre-se: o perdão faz tão bem para a sua saúde que, mais do que um ato de misericórdia, é um ato de inteligência e de amor-próprio!

8. Pense no benefício 

No jogo da vida é preciso saber perder com dignidade e positividade, encarando cada problema como a semente de um grande benefício. Dias melhores virão, com certeza!

Depressão: cuidado com essa armadilha

Eliana Barbosa

Tendo sido comemorado, no dia 10 de setembro, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre esse tema tão sensível e devastador, vamos refletir juntos sobre um sofrimento mental que, a meu ver, é a causa primeira das tentativas e das ocorrências de suicídio – a depressão! 

Sem dúvida, a depressão é um dos grandes males deste século, e tem arrasado muitas vidas e relacionamentos. E é preciso que fiquemos atentos, porque ela geralmente se inicia de forma sorrateira, e vai, pouco a pouco, invadindo o nosso cotidiano.

Muitas pessoas relatam sobre uma tristeza constante, falta de ânimo para viver a  rotina e até para conviver com seus parceiros, falta de “cor” na própria vida. Outras, principalmente as mulheres, se dizem deprimidas porque seus filhos cresceram e “bateram asas”, e elas não se prepararam para essa fase, na qual poderiam aproveitar para se dedicar à vida amorosa, viajar ou mesmo fazerem novas amizades.

Se você tem se sentido assim, veja como agir para se livrar dessa “armadilha” chamada depressão:

• Primeiramente, procure o apoio de um profissional do comportamento humano para que você se conheça melhor, possa desabafar suas dores e medos e aprender a traçar planos para sua mudança interior e cura. 

• Se esse profissional detectar que você está com depressão mesmo – séria doença mental – e se ele não for médico, é hora de você consultar um psiquiatra, porque o tratamento adequado da depressão necessita de remédios alopáticos, além do acompanhamento psicológico. Lembre-se que psiquiatra, ao contrário do que dizem os desinformados, não é “médico de doidos”, e sim, médico de qualidade de vida! E você sabe: quem tem depressão tem uma vida totalmente sem qualidade! 

• Faça também sua parte: situe-se no presente, no “aqui e agora”. Isso mesmo! A tristeza que se torna depressão é bem comum em pessoas que guardam ressentimentos, decepções e culpas – sentimentos do passado – e são inseguras quanto ao futuro – daí a ansiedade, que é um dos sintomas da própria depressão. 

• Ao ficar preocupado demais com o futuro, ou cheio de mágoas, culpas e saudades do passado, você simplesmente perderá o equilíbrio de sua vida e, assim, se tornará vulnerável às doenças, sejam físicas ou mentais. 

• Guarde bem: sua vida é como se fosse um navio e sua mente é o capitão desse navio. Se sua mente (o capitão do navio) está em desarmonia ou desequilíbrio, sua vida (o navio) com certeza perderá o rumo. 

• Dessa forma, preste atenção em sua mente – escolhendo pensamentos otimistas, gratidão, bom humor, novos amigos e aprendizados -, bem como em suas emoções – curando sentimentos tóxicos –, e aprimore sua espiritualidade – alinhando suas ações ao seu propósito de vida. 

• E, assim, de forma integral, cuidando do corpo, da mente e da alma, permita que a alegria esteja de volta em todos os dias de sua vida! 

Acredite: Você merece!

O Fracasso Ensina

Eliana Barbosa

Muitas são as pessoas que, ainda hoje, apesar de tanta inteligência e potencial para o sucesso, não conseguem se destacar na vida profissional e nem serem felizes em seus relacionamentos. Provavelmente você conhece indivíduos que são esforçados ao extremo, estudiosos, mas que se consideram “sem sorte” porque nada que empreendem dá certo. Eles querem vencer e se sentir realizados, mas sempre ficam com a sensação de que falta alguma coisa nessa trilha da vitória. 

O primeiro passo para se resolver essa questão é o autoconhecimento, o olhar pra dentro de si, conscientizando-se de que a tão almejada transformação interior só é possível quando se decide mudar a postura diante das adversidades, do fracasso e das perdas, no sentido de desenvolver o autocontrole –habilidade que nos permite gerenciar emoções, desejos e reações, mantendo o foco em objetivos relevantes, e de persistir, mesmo em situações mais problemáticas.  

Autocontrole é uma das mais fortes características da inteligência emocional. 

Esse preparo para enfrentar problemas ou mesmo as derrotas, e acatar os “nãos” que a vida oferece, é uma competência que vem sendo bastante estudada em vários países. 

Neurocientistas e psicólogos têm descoberto que as crianças que, ao longo de sua educação, aprenderam a lidar com perdas e frustrações, sem negativismo e autopiedade, apresentaram um melhor rendimento escolar, afastaram-se dos vícios, conseguiram poupar  dinheiro, e tornaram-se adultos mais felizes e bem sucedidos. 

Nesse estímulo para o desenvolvimento de suas personalidades, foi ensinado a elas a importância de se combater o sentimento de urgência, compreendendo que mais vale uma recompensa maior no futuro do que uma recompensa menor disponível no presente. 

Embora a habilidade de controlar impulsos decorra, em parte, de nossa herança genética, é importante saber que há também influência do ambiente, ou seja, da família e escola. Por isso, com o objetivo de desenvolver o autocontrole de seus alunos e estimulá-los a encontrar soluções para desafios, no mundo todo tem aumentado o número de escolas que criam jogos cujo prêmio depende da habilidade em lidar com a frustração, fazer escolhas melhores e adiar decisões, quando necessário. 

Por isso, para que pais e educadores consigam realizar suas missões com louvor, é importante que estejam prontos para preparar crianças e jovens para as naturais dificuldades da vida. Como diz o psiquiatra e escritor Augusto Cury, “Bons jovens se preparam para o sucesso. Jovens brilhantes se preparam para as derrotas. Eles sabem que a vida é um contrato de risco e que não há caminhos sem acidentes”. 

E lembre-se: nunca é tarde para mudar, adquirir novas habilidades, e ser feliz e bem-sucedido. Basta afastar de sua mente a idéia da perfeição e fazer de cada fracasso vivido uma experiência de motivação e aprendizado.

Barreiras na Vida Financeira

Eliana Barbosa

Você já percebeu quanta gente existe que tem todo o potencial para ser rico materialmente – excelente emprego, ótimos rendimentos, inteligência vivaz, dentre outras qualidades – mas que parece que nunca consegue enriquecer? São pessoas que não controlam as suas despesas, gastam compulsivamente, desvalorizando, assim, a poderosa e abençoada energia do dinheiro. 

O que eu vejo em indivíduos com estas características é um sutil e inconsciente medo da riqueza e do sucesso. Um medo arraigado, talvez nascido das crenças limitantes que os acompanharam ao longo da vida ou padrões de pensamentos negativos em relação à riqueza, muitas vezes cultivados pela sua própria formação religiosa. 

Embora não seja de fácil percepção, a verdade é que há um número muito grande de pessoas que têm um medo inconsciente de superar seus pais, quer na área material, moral, física, espiritual ou profissional. Como cresceram “endeusando” seus pais, acabam por desenvolver em si mesmas um temor oculto de os magoar, se forem melhores do que eles. O que é uma grande tolice, pois, se estamos vivendo em um mundo cuja tendência é a evolução, nós, filhos, temos a obrigação de ser melhores do que nossos pais e devemos, da mesma forma, liberar e incentivar nossos filhos para a superação de nossos próprios talentos. 

Temos que considerar também o temor de muitos indivíduos em relação ao poder que o dinheiro pode lhes conferir. O poder, muitas vezes, chega a ser assustador, principalmente para pessoas que confundem poder posicional com poder pessoal. 

O poder posicional é aquele que a pessoa ocupa no momento – na profissão ou na sociedade – e, é claro, não tem garantia nenhuma de durabilidade; já o poder pessoal é o carisma, a energia positiva e agradável, a amabilidade e a sinceridade que torna muito marcante a presença de quem o possui, e é um poder que ninguém perde, a não ser por sua própria permissão. Mas, nesta confusão entre estes poderes, muitas pessoas demonstram um grande receio de que a riqueza possa “lhes subir à cabeça”, tornando-as vaidosas e arrogantes. Dessa forma, vejo indivíduos muito carismáticos e bem relacionados (poder pessoal) escondendo-se das oportunidades (poder posicional), por medo das “tentações” da riqueza. 

Outro fator que pode bloquear a energia do dinheiro em sua vida é a culpa, sentimento que coloca a pessoa que se sente culpada como sua própria barreira, que não a deixa avançar. E culpa é uma emoção que não acrescenta nada, a menos que o culpado aprenda a lição com seus erros e se disponha a acertar da próxima vez. Se você perceber que sua vida financeira está balançando, sem um ponto de equilíbrio, exercite o autoperdão, dizendo para si mesmo, repetidas vezes por dia: “Eu me perdôo e declaro para o Universo que saio da minha frente e paro de atrapalhar a mim mesmo!” Esta é uma declaração poderosa, porque mostra sua verdadeira responsabilidade por tudo que lhe acontece e que é você, com suas emoções e seus pensamentos, quem escolhe a vida que quer ter pela frente. 

E, finalmente, a barreira-mestra que leva as pessoas às dívidas e às altas dificuldades financeiras: a mágoa, principalmente em relação àqueles ligados à sua criação – pais, avós, irmãos mais velhos, etc. Quem carrega ressentimento dentro de si não se permite crescer, porque, de forma inconsciente, precisa chamar a atenção para seus problemas, para sua “síndrome do coitadinho”, do menos amado, do rejeitado… Predispondo-se aos exercícios de perdão, a pessoa passa a julgar menos os outros e, ao poucos, aprende a se desapegar do passado e das lembranças menos felizes. E, com isso, com sabedoria, assume a direção de sua vida, em busca da prosperidade em suas finanças pessoais. 

Portanto, amigo leitor, cuidado com seus pensamentos e emoções, porque eles estão criando seu presente e seu futuro. E, ao invés de colocar suas expectativas de sucesso no mundo externo, assuma, de uma vez por todas, seu poder diante da vida – um poder sem limites, se assim você acreditar!

Redes Sociais e Autoestima

Eliana Barbosa

É inegável a importância das redes sociais como poderoso instrumento de publicidade e comunicação, bem como responsáveis por mudanças de comportamento e costumes. Pesquisas recentes têm demonstrado que as redes sociais influenciam diretamente – de forma negativa ou positiva – na autoestima de seus usuários, principalmente dos jovens. 

Aqueles que têm a autoestima fragilizada são propensos a se sentir rejeitados e com sua autoconfiança abalada quando suas publicações não são “curtidas” como eles gostariam, quando leem comentários negativos a seu respeito, ou quando se deparam com fotos de amigos ostentando passeios, romances e felicidade. 

Já as pessoas com a autoestima em alta usam as redes sociais para compartilhar  conteúdo relevante e positivo, o que lhes traz mais aprovação e admiração, fortalecendo, assim, sua marca pessoal. 

Veja aqui, então, 5 dicas de como usar as redes sociais de forma sensata e madura: 

– Evite ao máximo se expor

Nada de ficar ostentando seu corpo, o namorado ou marido, seus filhos, sua casa, seu carro, etc… Ostentação é sinal de insegurança e baixa autoestima. E a privacidade é um direito muito valioso para ser desprezado! 

– Nada de informar sua localização atual

Não é seguro para você, nem para seus familiares. Se quiser contar sobre um passeio, publique as fotos e comentários depois que voltar. 

– Jamais utilize as redes sociais para desabafar sobre alguém que o desagrada 

Se for preciso, diga à própria pessoa, por mensagem particular. Maledicência, falta de educação e de ética são formas de denegrir a sua própria imagem. 

– Use as redes sociais para espalhar o bem

Postando textos e vídeos que sejam de utilidade pública (inclusive denúncias comprovadas e sérias), assim como mensagens que sirvam para gerar motivação para seus contatos. 

– E, finalizando, utilize os três crivos ensinados pelo filósofo Sócrates (469 a.C. – 399 a.C): 

O crivo da Verdade (tenha absoluta certeza do que vai dizer), o da Bondade (o que for comentado deverá ser em benefício de alguém) e o da Utilidade (o que for dito deverá ser útil para as pessoas). 

Pense nisto!

10 ATITUDES PARA ABANDONAR JÁ!

Eliana Barbosa

Chegou a hora de dar um basta em atitudes que só atrasam sua vida e seu sucesso. Eis aqui 10 atitudes para você abandonar hoje, aqui e agora: 

1. Sofrer o medo de fracassar

Você já pensou quantas oportunidades perdeu por medo de se frustrar, de não dar certo? Entenda que o fracasso verdadeiro é não tentar acertar. 

2. Sentir-se culpado por tudo que acontece à sua volta e ficar pedindo desculpas o tempo todo

Esta atitude é sinal de baixa autoestima e as pessoas não confiam em quem não demonstra confiança em si mesmo. 

3. Sentir constrangimento em dizer “não” para os outros

É hora de abandonar essa mania de ser perfeito e bonzinho para todo mundo, e começar a ser mais sincero com você mesmo!  Seja bom, justo, solidário, mas bonzinho… Só para você mesmo! 

4. Ficar comparando a sua vida – que é real –  com a dos personagens das novelas ou dos seus amigos virtuais

É preciso aceitar sua realidade e ter maturidade para distinguir o que é verdadeiro do que é apenas criação artística ou ostentação.  

5. Aceitar relacionamentos tóxicos, de amizade ou amorosos

Quando você deixar de aceitar aquelas relações que lhe fazem mal, você poderá, enfim, entender o que é paz interior. 

6. Usar a crise como desculpa para suas dificuldades

Assuma a responsabilidade pelos seus pensamentos, emoções, escolhas e atitudes, e comece a ver a crise como a mola que vai impulsioná-lo a sair do marasmo e descobrir seu potencial de sucesso. 

7. Ficar dizendo que isso ou aquilo é imperdoável

É hora de abrir seu coração e se dispor a perdoar, limpando suas emoções e o seu corpo do lixo dos ressentimentos, deixando de dar importância ao ofensor, e seguindo em frente. 

8. Ferir os outros com críticas

Todo mundo tem qualidades e quanto mais você as valoriza, mais essas pessoas irão querer mostrar o que elas têm de melhor. 

9. Sentir-se uma vítima da vida, um azarado e ficar reclamando de tudo

Esse “coitadismo” só atrai para você mais razões de sofrimento. 

10. Fazer comentários sobre a falta de dinheiro

Focar na escassez é a forma mais rápida de atrair penúria para você! Por mais difícil que estejam suas finanças, comente e sinta profunda gratidão pelas bênçãos de sua vida.

Tema mudança deve começar em você

Eliana Barbosa

Muito se fala sobre a importância de estarmos sempre abertos às naturais mudanças da vida, entretanto, quando chega a hora de testar a nossa flexibilidade emocional diante dos desafios que nos aparecem, muitos de nós nos sentimos acuados, amedrontados e inseguros. 

E você: Como se comporta diante das mudanças: Como alguém que espera os outros ou o mundo mudar para você ser feliz, ou você assume a autoria da sua história e encara as mudanças necessárias, com coragem e determinação? 

Há muitas pessoas que, em busca de seu crescimento pessoal e profissional, procuram leituras, conversas e programas inspiradores que podem funcionar para elas como um “toque de despertar”, levando-as a realmente acordar para a vida. Elas entendem que são as únicas pessoas capazes de mudarem as suas vidas, e, com isso, começam um processo de mudança interior, combatendo os pensamentos limitantes, corrigindo comportamentos destrutivos, transformando medos em coragem e revolta em gratidão.  

Entretanto, outras há que ainda acreditam que precisam do reconhecimento e da mudança externos para se sentirem completas e felizes. E passam uma vida inteira esperando… – pelo elogio dos outros, pelo parceiro perfeito, pelo pedido de desculpas de quem os ofendeu, esperando em vão… Tais pessoas não percebem que o mundo só vai reconhecer seus talentos quando elas mesmas reconhecerem o quanto são especiais para o mundo. 

Por isso, pare de tentar mudar os outros! Por favor, pare de esperar que os outros mudem para você se realizar! Você está perdendo o seu precioso tempo, porque ninguém é capaz de mudar ninguém, a não ser a si mesmo!

E se você está aí, empenhado em mudar a si próprio, para prosperar e vencer,  parabéns! E vá com calma, não se apresse. Faça a sua parte e saiba que grandes transformações não acontecem da noite para o dia. Elas são lentas e muitas vezes imperceptíveis para aqueles que nos cercam. Mas, com a sua persistência, chegará o dia em que os tão esperados resultados virão à tona. Alguns dirão que foi sorte; mas você saberá que a sua sorte foi, nada mais nada menos, do que muitas oportunidades que encontraram uma mente preparada para vencer. 

Use em sua vida o exemplo do bambu chinês, arbusto que depois de ter sua semente plantada, tem todo o seu crescimento subterrâneo, por longos quatro anos. Só então, no quinto ano de vida,  é que o bambu chinês cresce, até atingir 24 metros. E depois, devido à sua flexibilidade, não se deixa abater diante das tempestades – tomba, mas não quebra! Belo exemplo para todos nós!  

Guarde bem: O grande segredo da plenitude de viver é você entender que nada na sua vida vai mudar se você não mudar primeiro! Arrisque-se a mudar, dê o primeiro passo, e, como disse o grande pacifista Mahatma Gandhi (1869-1948), “Seja você o exemplo de mudança que deseja ver no mundo.” 

ATITUDES QUE ENGRANDECEM

Eliana Barbosa

No palco das relações humanas, fica muito claro, para todos nós, o quanto é complexo conviver pacificamente. É preciso sabedoria, tolerância, compaixão e muita compreensão, porque por mais rudeza que alguém demonstre em seu comportamento, dentro dele mora um filho de Deus, com potencialidades ainda ocultas, e muitos medos, traumas e carências – de ordem afetiva e emocional – para serem curados. 

Devido à baixa autoestima e insegurança que ainda dominam a vida da maioria das pessoas, fica muito evidente no comportamento delas a necessidade de ter seu valor reconhecido pelos outros. E, sabendo dessa carência humana, você pode entender melhor o poder transformador do elogio e da validação nos relacionamentos.   

É através do elogio genuíno – sem afetação -, que você vai construir pontes entre você e os que o cercam, derrubando os muros da arrogância e do egoísmo – duas posturas de vida que nos distanciam das realizações.  

Tanto na vida amorosa, familiar, social ou profissional, a melhor forma de se aproximar das pessoas e conquistá-las para o seu modo de pensar é elogiar o seu progresso, por menor que seja, e incentivá-las continuamente, de preferência em público, para que todas se sintam motivadas a crescer também. 

E o mais recompensador é que ao reconhecer o valor do outro você ativa um círculo virtuoso, atraindo para perto de si, naturalmente, pessoas incentivadoras, cheias de gratidão e entusiasmo.

E caso você precise fazer uma crítica, para que ela seja realmente eficaz e não provoque ressentimentos, atente para isso: fale com a pessoa em particular e expresse primeiro os seus próprios erros e dificuldades; em seguida, faça um elogio merecido, encaixe a crítica necessária e finalize com mais um elogio, deixando na outra pessoa a sensação de que o erro dela será fácil de corrigir. Esta é uma infalível receita para você – que nasceu para vencer e que sabe que todos nós precisamos uns dos outros. 

Encerro esta reflexão com um breve conto de autor desconhecido que nos mostra que se atribuirmos a alguém uma boa fama, com certeza essa pessoa fará tudo para mantê-la: 

“Poucos meses depois de se mudar para uma pequena cidade, uma mulher reclamava a seu vizinho sobre o péssimo serviço que havia recebido de uma mercearia local. Ela sabia que seu vizinho era amigo do proprietário e esperava que ele transmitisse sua queixa. Na visita seguinte que ela fez à mercearia, o proprietário recebeu-a com um largo sorriso e disse o quanto estava feliz em vê-la novamente. Esperava que ela estivesse gostando de sua cidade e, ainda, disse que teria imenso prazer em ajudá-los a se estabelecerem. Atendeu pronta e eficientemente o pedido que ela fez. Mais tarde, a mulher relatou a miraculosa mudança para seu vizinho e comentou: ‘Suponho que você tenha dito a ele como achei ruim seu atendimento, não disse?’  E o vizinho, sorridente, respondeu: ‘Bem… não. Espero que não se importe, mas… na verdade, eu disse a ele que você estava surpresa por ele ter conseguido montar, numa cidade pequena, uma das mercearias mais bem dirigidas que você já havia visto. Foi apenas isso que eu disse a ele.”

Portanto, guarde bem: condenações e queixas são posturas de distanciamento, enquanto que o elogio e o agradecimento são fantásticas atitudes de estreitamento dos laços afetivos, sociais e profissionais.

Curando sua vida

Eliana Barbosa

Diante das estatísticas que revelam estarrecedores aumentos nos casos de ansiedade, depressão e suicídio, mundo afora, o único meio que percebo que pode mudar essa triste realidade é a cura dos sentimentos tóxicos que pairam na vida das pessoas, dentre eles a culpa, o ressentimento e o medo. 

Sentimentos ruins são absolutamente humanos, normais em nosso viver, mas precisam de controle e equilíbrio, até que possam ser curados e transformados em sentimentos de autoperdão, perdão, autoconfiança e fé em um Poder Supremo que nos guia em todos os momentos. 

É importante lembrar que, mesmo com a firme intenção de nos dar o melhor, as pessoas que mais nos ferem, de modo geral, ao longo da vida, são nossos pais.

Daí a importância de você se autoconhecer, entender seus defeitos e crenças limitantes, aceitar que tem mágoas sim, encarar suas culpas, e, sobretudo, exercitar, dia a dia, o perdão e o autoperdão –  ferramentas de cura e libertação -, que o conduzirão a novos horizontes em todos os campos de sua vida. 

A meu ver, o primeiro passo para a cura dos sentimentos é o autoperdão, porque quando você consegue identificar suas culpas e se perdoar de verdade, você para de sabotar seu crescimento e sua felicidade. E, nesse ponto, você se torna mais preparado para perdoar seus desafetos, através do não julgamento e a compaixão por todos aqueles que, um dia, o decepcionaram. 

É importante lembrar que, mesmo com a firme intenção de nos dar o melhor, as pessoas que mais nos ferem, de modo geral, ao longo da vida, são nossos pais. Críticas, depreciações e comparações são atitudes dos pais que geram mágoa e dor nos filhos, mas são poucos que conseguem assumir esses sentimentos em relação aos pais – sem se sentirem culpados por isso -, principalmente porque cresceram ouvindo que “pai e mãe são sagrados”. 

Pai e mãe, querido leitor, são humanos, passíveis de erros, mesmo querendo acertar, e, de forma inconsciente, repetem padrões de comportamento que aprenderam com seus próprios pais. 

Quando você entende essa dinâmica da vida e aceita que tem culpa por ter mágoa de seus pais, começa, então, um processo de transformação, pelo qual você vai se perdoar e perdoar seus pais, e a libertação interior é tão grande, que você irá sentir sua vida fluindo, oportunidades surgindo, saúde florescendo, e alegria de viver retornando aos seus dias. 

Eis aí a “mágica” da cura dos sentimentos, e ela só depende de você, de ninguém mais!