Procurar por:
Investimentos pessoais e aposentadoria

Jean Chamon

Estamos na contagem regressiva para o término de mais um ano, sendo o segundo ano de muitas mudanças e aprendizados na vida de todos nós. Nos projetos de final de ano sempre preparamos a tradicional lista de objetivos para o ano seguinte! Como forma de pensarmos um pouco mais adiante gostaria de trazer um tema que focará em um horizonte mais distante. Nesse mês trataremos da temática dos investimentos e de como se preparar para a aposentadoria.

Atualmente, os planos de aposentadoria e previdência públicos se encontram cada vez mais escassos em um cenário em que a expectativa de vida do ser humano aumenta de forma constante, os investimentos e finanças pessoais nunca estiveram tão em voga como forma de proporcionar aposentadoria e ganhos passivos para os investidores.

De forma geral, as pessoas possuem diferentes perfis, necessidades e objetivos quando se trata de investimentos. Alguns perfis investem para o pagamento de despesas e investimentos futuros como uma casa ou universidade ou até na tão almejada aposentadoria. Entretanto, todos eles devem mensurar um horizonte e a forma como atravessar esse período independente de qual o objetivo escolhido.

Antes que se possa trabalhar as questões envolvidas nos investimentos a longo prazo é fundamental preparar suas finanças atuais tendo em vista efetuar levantamento do quanto é possível poupar mensalmente. Manter as finanças pessoais em ordem também é algo primordial antes de se pensar em investimentos futuros. O primeiro passo na preparação de um portfólio de investimentos, deve ser focar em um compreensivo processo de planejamento financeiro analisando de que forma e como alcançar os objetivos traçados.

De forma clara a estratégia de investimento é a forma de pensamento que formatará como você selecionara seu portfólio de investimentos. As melhores estratégias devem auxiliá-lo a atender seus objetivos de médio e longo prazo e ampliar seu patrimônio e riqueza mantendo o nível de risco escolhido.

Certamente a estratégia escolhida influenciará os tipos de investimentos, sua abordagem e postura na compra e venda desses ativos financeiros no futuro. 

Especialistas na área delimitam perguntas diretas de forma a definir perfis e tipos de abordagem como por exemplo:

  • Quais são os seus objetivos?
  • Em quantos anos você pretende se aposentar?
  • Como você se sente em relação a correr riscos?
  • Você tem alguma noção da quantidade em valor que você pretende investir no mercado de ações, títulos ou outros investimentos alternativos?

Alguns pontos chave são importantes para a definição das estratégias:

  • A melhor definição de estratégias de investimento é aquela que aumenta o potencial de ganho nos investimentos com a menor exposição a risco possível.
  • A estratégia vai variar de acordo com os objetivos, prazos, aceitação a riscos e a forma em que o investidor quer estar envolvido na gestão desses investimentos.
  • Muitos investidores combinam diversos tipos de estratégia para personalizar seus investimentos em busca do atendimento das suas necessidades em cada situação. 

Outra questão a se observar é a educação financeira como peça-chave para qualquer investimento e preparação de aposentadoria. A definição de aposentadoria e perfis se dá de forma equilibrada em busca de uma perenidade nos investimentos e geração de renda passiva futura. O norte-americano habitualmente investe no mercado de ações de forma constante em diversos tipos de formatos de corretagem disponíveis no mercado. Para qualquer ação é fundamental buscar um professional certificado em investimentos e finanças que poderá orientá-lo na jornada em maximizar seus investimentos e gerar renda e riqueza. Nos vemos em 2021! Saúde e paz para todos! Positividade sempre! Forte abraço!

Para saber mais acesse:

Benson, A., Lam-Balfour, T., (2021). Investment Strategies for New Investors (online). https://www.nerdwallet.com/article/investing/investment-strategies 

Rapacon, S., Schmidt, J., (2021). 7 Tips for Long-Term Investing (online). https://www.forbes.com/advisor/investing/tips-for-long-term-investing/

Geração Z e a satisfação no ambiente de trabalho

Jean Chamon

A o longo do tempo a população humana cresce e se expande. Para os estudos comportamentais e sociais usa-se o termo Geração para classificar e descrever um grupo de pessoas com idades similares em um período influenciados pelas mesmas circunstâncias sociais. Estudos apontam que os indivíduos que vêm da mesma geração têm um modo de pensar parecido em consequência de viver as mesmas experiências econômicas, culturais e políticas.

Essas similaridades do modo de pensar influenciam diferentemente as atitudes e comportamentos de cada geração. Concomitantemente, no mundo do trabalho, três gerações estão tendo que trabalhar juntas, sendo elas os “Baby Boomers” (nascidos depois da Segunda Guerra Mundial), geração “X” (1965-1976) e geração “Y” (1977-2000). Atualmente, a Geração “Z”, (nascidos a partir dos anos 2000, alguns estudos incluem os que nasceram após 1995) começa a se juntar ao mercado de trabalho.

O século XX apresentou novos desafios como o aumento em mais de trinta anos de expectativa de vida, estimando que em 2050, 22% da população terá mais de 60 anos. As inovações tecnológicas cada vez mais rápidas bem como a visão de autodesenvolvimento do ser humano para lidar com essa nova realidade. 

A geração “Z” é conhecida como um grupo de pessoas que nasceram em um mundo digital na qual as tecnologias têm um grande impacto nas atividades humanas estando a tecnologia intrínseca em suas personalidades. Alguns estudos descrevem essa geração como conectada, comunicativa, centrada em conteúdo, computadorizada, orientada pela comunidade, e como a geração de mudanças, também chamada geração “C”. 

Outra característica é a presença constante de criatividade e inovação com acesso a informações ilimitadas. Com tantos estímulos e acesso ilimitável à informação, a geração “Z” tende a ser mais focada a tarefas, a ter muitas opções de escolha, ser mais educada e sofisticada, também gosta de prestar sua opinião com sinceridade. Tem uma excelente habilidade de absorver informação e de realizar diferentes tarefas e ser mais produtiva. No entanto, a geração também tem a tendência a mudar facilmente algo, quando não está gostando, ou seja, acaba tendo dificuldade de comprometimento com uma organização. 

De outra forma, pesquisa realizada em 2021 pela CCB (Carson College of Business) com mais de 1000 trabalhadores da geração “Z” indicaram que:  

• Eles se preocupam muito com sua carreira. Eles são preocupados com o crescimento na carreira, têm altas ambições, mas exigem um ambiente estimulador e querem ser reconhecidos por seu trabalho. 

• Eles estão preparados para voltar aos escritórios – A maioria da Geração “Z” já nasceu com as telas e tecnologias em suas mãos. Porém com a pandemia, eles estão apresentando alguns prejuízos a saúde mental pelo trabalho remoto. Comparados as gerações mais antigas, a geração “Z” tem mais chances de ser impactados pelas distrações, alteração de foco e desbalanceamento entre trabalho e qualidade de vida que o trabalho remoto tem gerado. 

• O valor organizacional importa – 83% dos entrevistados relataram que querem trabalhar em uma empresa onde possam impactar e contribuir positivamente para o mundo. E 75% relataram que eles valorizam um equilíbrio saudável entre trabalho e vida. 

• Eles são preparados e prontos para o trabalho. Eles trazem habilidades técnicas e criatividade para o ambiente de trabalho. Eles são tecnologicamente hábeis, são mais criativos e desenvolveram maiores habilidades de ciências, matemática e tecnologia. 

• Eles são otimistas em relação ao futuro – 68% dos entrevistados estão otimistas em relação ao futuro mesmo após a pandemia. Se os empregadores forem leais com os funcionários, trabalharem para a reputação de suas marcas e ajudá-los a desenvolver seus talentos eles alcançarão uma melhor performance. 

Segundo a mesma pesquisa do CCB  para que os líderes empresariais consigam atrair e reter os talentos da geração “Z”, é importante reconhecer os valores e as expectativas dessa geração. Segue um resumo das suas principais expectativas: 

• Desejo de fazer um impacto positivo 

no mundo (83%).

• Ter uma ambição e altas perspectivas (79%).

• Equilíbrio saudável entre trabalho 

e qualidade de vida (75%).

• O desejo de trabalhar em uma empresa cujos valores estão alinhados com os seus (70%).

• Gratificação pelo trabalho bem desenvolvido (63%).

• Poder ser promovido rapidamente (63%).

É preciso estar atento a essas transformações, pois inclusive já estão alterando o ambiente de trabalho, considerando que os “Baby Boomers” estão se aposentando e a demanda pela geração “Z” vai aumentar consideravelmente. As empresas precisam elaborar estratégias para entregar o que a Geração “Z” espera e trazer o melhor deles para o mundo do trabalho. 

A geração “Z” se motiva com trabalho significativo querendo influenciar tudo o que fazem. Gostam de fazer escolhas e de se expressarem. Tem atitudes mais leves e descontraídas. Assim sendo, conhecendo as características nessa nova geração, as empresas e os líderes podem inserir mudanças em sua cultura organizacional para que esses novos entrantes no mercado de trabalho performem em todo seu potencial, e uma vez que eles estão satisfeitos e motivados, as empresas conseguirão uma retenção maior desses profissionais. 

Positividade Sempre! Forte abraço.

Mentalidade do Imigrante

Jean Chamon

Dando continuidade ao nosso texto da edição anterior que falava sobre mentalidade de crescimento, vamos aprofundar fazendo a correlação com a mentalidade do imigrante que geralmente atravessa múltiplos desafios nessa jornada. 

É sabido que cada pessoa tem sua própria configuração genética, mas hoje se acredita que por meio de experiências, treinamento e esforço pessoal muitas habilidades podem ser desenvolvidas durante um ciclo de vida. Atualmente, a postura e mentalidade tem a capacidade de mudar seu perfil psicológico e os resultados em sua vida, negócio ou família.

Conforme afirmado pela Dra. Carol Dweck em seus estudos, quando pessoas acreditam que suas qualidades básicas podem ser desenvolvidas e melhoradas, as falhas, desafios e frustrações quando acontecerem irão de toda forma trazer dificuldades e dores, mas certamente não serão definidores de uma postura ou situação. 

No caso do imigrante vejo que essas afirmações são um exercício diário, pois mindset de crescimento estimula o alcance de objetivos por meio de ações e trabalho duro (Yeager, Dweck, 2020). Analisando do ponto de vista do imigrante, o mindset de crescimento estimula uma melhor adequação e adaptação em vários estágios do seu processo imigratório como por exemplo: Podemos elencar inúmeras questões em que a mentalidade de crescimento favorecerá o imigrante para ser mais bem sucedido em suas escolhas de vida, encarando de forma aberta e plena os desafios e aprendizados oferecidos.

A Dra. Dweck (2006) apresentou estudo que podemos relacionar com a vida do imigrante. O estudo se deu sobre o aprendizado de línguas na Universidade de Hong Kong analisando os perfis de mentalidade fixa e de crescimento. As classes regulares na universidade são ofertadas em língua inglesa e muitos alunos não possuem proficiência na língua. A universidade pesquisou se a oferta da disciplina de língua inglesa para alunos não proficientes seria bem recebida pelos calouros. Como resultado da pesquisa os alunos identificados com mentalidade de crescimento afirmaram enfaticamente que teriam interesse em fazer a disciplina. Entretanto, os alunos com mentalidade fixa, negaram a possibilidade de fazer parte da disciplina ofertada.

Em uma análise simples relacionada ao expatriado, é sabido que muitos por questões de não proficiência na língua nativa do país em que vivem optam, por receio de falhar, em viver somente em comunidades de imigrantes da mesma etnia e continuar falando a língua pátria. Correlacionando com o estudo da professora Carol Dweck vejo um espelho que muitos dos imigrantes pelo pensamento fixo se colocam em situação de evitar desafios ou potenciais derrotas. De forma direta podemos inferir que o imigrante com pensamento e mentalidade de crescimento tem maior chance de aprendizado da língua local do país que decidiu viver.

Outro fator que podemos correlacionar o tema ao mundo dos negócios e carreiras. Muitos imigrantes de mindset fixo buscam continuar os mesmos tipos de negócios e atuações profissionais que anteriormente exerciam em seu país de origem, sem observar que o cenário mudou completamente.

De outra forma, bem como os CEOs de sucesso, a mentalidade de crescimento no imigrante pode auxiliar a possibilidade de inovar e desenvolver produtos, aptidões, carreiras e habilidades que lhe forem apresentadas entrando em um ciclo de aprendizado contínuo em toda a sua vida. Historicamente, muitas nações foram e são desenvolvidas por imigrantes inovadores que certamente apresentam mentalidade de crescimento em muitos casos.

O imigrante que foca cada situação como oportunidade de aprendizado, sairá ao final da jornada muito mais forte e preparado do que quando se posiciona de forma negativa e estagnada, visualizando apenas os problemas. Modificando o pensamento, tão logo construirá novos hábitos que resultarão em ações impactantes para os objetivos que querem alcançar. 

Positividade sempre! 

Forte abraço!

Mindset Vencedor: “I Can, I Will”

Jean Chamon

Nosso texto mensal vai tratar de um ponto primordial para darmos equilíbrio em nossas vidas. Trataremos de forma breve o tão chamado Mindset que de forma simples e direta é a forma como encaramos, agimos e pensamos em nossas situações diárias e cotidianas. O Mindset nos conduz de forma padronizada diante de desafios positivos e negativos. A contribuição desse mês é baseada em material didático da Must University que desde já agradeço e cito como fonte utilizada.

Em muitas situações de nossas vidas nos sentimos em um beco sem saída e nos colocamos em um modelo mental ou Mindset em que enxergamos a vida sob uma única perspectiva. Ou seja, nossos pensamentos estão fixos naquela situação então não conseguimos encontrar as soluções. Vejo que nesse último ano de pandemia muitos de nós, às vezes, nos observamos em situações semelhantes focados nos problemas e nas angústias.

Segundo a autora Carol S. Dweck podemos observar em situações de desafio dois tipos de postura e forma de pensar. Uma forma encarando situações desafiadoras de forma desestimulante e de forma oposta podemos enxergar a situação difícil como uma oportunidade de aprendizado.

Dedicação, esforço e possibilidade de mudança fazem nossa forma de pensar ir muito além da simples aceitação de que o jogo já está pré-determinado. Como nos esportes, nossa vida ainda está em pleno desenvolvimento e o resultado depende da forma como vamos nos conduzir diante de momentos complicados.

Basicamente temos duas formas de nos colocarmos diante de situações desafiadoras:

• Mindset Fixo

• Acreditar que nossas competências, intelecto e habilidades são imutáveis.

• Se colocar de forma passiva e aceitar as condições impostas. Evitar sair da zona de conforto.

• Achar que mudança e aprendizado não geram desenvolvimento e crescimento pessoal.

• Enxergar o esforço como algo desagradável e observar o sucesso dos outros como mera sorte ou algum dom inato.

• Mindset de Crescimento

• Acreditar que podemos desenvolver novas habilidades mediante esforço e dedicação.

• Mesmo em situações desafiadoras encarar os desafios com otimismo e esforço.

• Observar pontos negativos e positivos das situações e enxergar dificuldades como oportunidades de crescimento.

• Estar em constante aprendizado em todas as situações.

Esse tema é longo o bastante para darmos continuidade nos próximos meses falando sobre fé inabalável, crenças limitantes e tantos outros assuntos que desenvolvem nosso autoconhecimento. 

Para finalizar quero deixar a mensagem que sempre podemos aprender em qualquer situação se mantivermos nosso Mindset vencedor que será determinante para o alcance do resultado positivo.

“Como imigrantes que somos, creio que se forçarmos cada situação como oportunidade de aprendizado, sairemos ao final da jornada muito mais fortes e preparados do que se nos posicionarmos de forma negativa e estagnada, visualizando apenas os problemas. Modificando nosso pensamento, tão logo construiremos novos hábitos que resultarão em ações impactantes para os resultados que queremos alcançar.” 

Inteligência Emocional

Jean Chamon

Nesse mês, falaremos um pouco sobre um assunto que afeta nossas vidas em família, profissionalmente e em quaisquer outras situações ou tarefas diárias. Vamos abordar de maneira simples a tão falada Inteligência Emocional (IE).

Do Ponto de vista profissional, atualmente pela grande competitividade dos mercados globais, as corporações desejam que seus funcionários atuem em equipes de trabalho com habilidades colaborativas e lidando com competências e habilidades que envolvem muito mais que as capacidades cognitivas enfrentando fatores emocionais como tomada de decisão sob pressão e resolução de conflitos.  

Infelizmente, várias pesquisas demonstram que as instituições de ensino superior focam na formação de profissionais com habilidades cognitivas. Entretanto, devido à grande pressão dos mercados globais, a formação dos profissionais deve também se preocupar em preparar os requisitos comportamentais e atitudes requeridas por um mercado professional atualmente contextualizado pela alta competitividade. 

Cada vez mais tem crescido a ênfase sobre a importância no mundo dos negócios de habilidades interpessoais, Inteligência Emocional (IE) e capacidade de resolução de conflitos. 

Podemos definir Inteligência Emocional como a habilidade de monitorar os próprios sentimentos e dos outros discernindo em relação aos mesmos e sobre o fato da utilização dessa informação para direcionar e guiar pensamentos e ações. Vários pesquisadores e profissionais da área afirmam que a Inteligência emocional é duas vezes mais importante que conhecimento técnico e o Quociente de Inteligência (QI) para obtenção de sucesso profissional em todos os níveis.

Também é colocado a IE como a habilidade de perceber, entender e regular as emoções próprias e de outras pessoas. As emoções permeiam as relações humanas e podem significativamente determinar as experiências pessoais nos locais de trabalho influenciando seu bem-estar, motivação, satisfação e performance. Infelizmente, pela dualidade cartesiana as emoções, foram colocadas de forma oposta da razão sendo o estudo das emoções relegado a segundo plano nas pesquisas organizacionais. 

Uma habilidade que é altamente impactada pela IE é a capacidade de resolução e gestão de conflitos. Pode-se entender por gestão de conflitos como a abordagem individual usada na resolução de conflitos e com o objetivo de encontrar uma metodologia para resolução satisfatória dos problemas. De acordo com vários autores os gestores e líderes organizacionais utilizam 25% do seu tempo lidando com conflitos. 

Muitos profissionais em diversas situações encontram dificuldades de relacionamentos e barreiras entre gestores e executivos. Infelizmente, muitos desses líderes apresentam baixos níveis de inteligência emocional. Pesquisando sobre o assunto, encontrei algumas dicas interessantes de 5 formas simples de desenvolver a Inteligência Emocional que gostaria de compartilhar:

O desenvolvimento da Inteligência Emocional envolve tempo e predisposição para encarar de forma proativa os desafios cotidianos e utilizar as técnicas existentes para melhor gerenciamento das emoções. Um nível elevado de IE vai propiciar um melhor relacionamento profissional e pessoal. Trabalhe diariamente sua Inteligência Emocional!

1- Gerenciar as emoções negativas. Quando as emoções negativas são gerenciadas e reduzidas existe uma menor possibilidade de que o líder, gestor ou profissional se sinta sobrecarregado. Uma forma de se trabalhar a questão é observar uma mesma situação em diversos pontos de vista e praticar essa postura com frequência.

2- Observar a forma como coloca e verbaliza seu vocabulário. Existem muitas formas de verbalizar problemas e situações. De toda forma, devemos sempre buscar colocar problemas e situação cotidianas de forma a apresentar um cenário claro de forma específica e apresentando cenários e soluções positivas.

3- Praticar a empatia em seu local de trabalho. Observar e se colocar na situação de colegas de forma simples pode auxiliar a entender os cenários e situações cotidianas de trabalho. Procure interpretar as dicas verbais e não verbais para observar que cada um possui suas próprias questões internas de comportamento.

4 – Identificar os fatores que potencializam seu stress. Observar fatores estressores em seu cotidiano auxiliam de forma clara e inteligente a nos auxiliarem a gerenciar de forma proativa e evitar situações em que te colocam em rota de colisão ou nervosismo.

5- Encarar as adversidades de forma positiva. Posicione-se em cada situação problemática ou desafio de forma a superar e atravessar as barreiras impostas, evitando pessimismo e reclamações. Tente sempre aprender algo em qualquer situação adversa. 

A Questão do Valor

Jean Chamon

Nesse mês falaremos um pouco sobre gestão e valor. Com a grande concorrência atual, os mercados são impulsionados pela escolha. O cliente se encontra na fase em que tem muitas opções podendo escolher produtos por critérios de qualidade, preço, marca, tecnologia, grau de diferenciação ou apenas por status. Nesta situação de grande opção de escolha, o cliente se torna em muitos momentos o controlador do mercado, conduzindo através de suas necessidades e desejos todo o ambiente de mercado, dizendo o produto que quer, o preço que está disposto a pagar e a qualidade desejada.

Nesse mercado surge a questão do valor agregado e em como atribuir valor para o cliente, obtendo vantagem competitiva sobre os concorrentes. Então nos perguntamos o que seria valor em termos empresariais e de gestão. Segundo o Professor de Harvard, Michael Porter (1999) podemos definir valor como um montante que os compradores estão dispostos a pagar por aquilo que uma empresa lhes fornece. O valor é medido pela receita total, reflexo do preço que o produto de uma empresa impõe e as unidades que ela pode vender. 

Quando se concentra a atuação no valor econômico pode-se identificar quatro tipos de valor: 

• Valor de custo, como sendo o total de recursos medido em dinheiro, necessário para produzir/obter um item. 

• Valor de uso, como a medida monetária das propriedades ou qualidades que possibilitam o desempenho de uso, trabalho ou serviço. 

• Valor de estima, com a medida monetária das propriedades, características ou atratividades que tornam desejável sua posse. 

• Valor de troca, como a medida monetária das propriedades ou qualidades de um item que possibilitam sua troca por outra coisa. 

Observando várias definições e autores a noção de valor para o cliente é baseada na percepção da vantagem ou do benefício que ele recebe em cada transação com a empresa. O preço pago é apenas uma parte do esforço para obter o produto ou serviço. O cliente avalia também a rapidez e o conforto para obter o produto e a oportunidade de conseguir o que deseja.

Em um ano de pandemia na qual as relações de valor atingiram aspectos únicos na qual o conforto e as necessidades primarias foram de muitas formas alteradas, empresas como a gigante Amazon são um bom exemplo de como atingir vantagem competitiva por meio de agregação de valor.

Em 2004, após dez anos de fundação a receita anual da Amazon era algo em torno de 7 bilhões de dólares. Em 2018 a corporação atingiu receita anual maior que 230 bilhões de dólares. Nesse cenário a empresa tem crescido a uma taxa de 20% ao ano. É importante observar como a Amazon em duas décadas se transformou de uma simples vendedora de livros online na maior empresa em força de vendas e diversidade do mundo. Um dos grandes direcionadores se dá por trás de uma inovadora e eficiente cadeia de suprimentos que gera e agrega valor aos seus produtos e serviços de forma única. Em um ano de pandemia o gerenciamento eficaz da cadeia de suprimentos nunca foi tão relevante. 

A Amazon se tornou a empresa favorita para muitos devido a razão crucial que se dá pela sua rápida e eficiente gestão da cadeia de suprimentos que é baseada nos seguintes fatores:

• Uso inovador de forma sofisticada de tecnologia da informação;

• Extensiva cadeia de galpões, armazéns e centros de distribuição;

• Gestão de estoque de forma multicamadas e baseada em localização;

• Excelente rede de transporte e logística. 

Os serviços da cadeia de suprimentos da Amazon que tornaram a empresa única e inovadora como as entregas em até duas horas (prime now) ou entrega no mesmo dia somente é possível pela utilização de sua própria rede logística. A empresa com o passar do tempo compreendeu que a dependência de logística terceirizada aumentava em muito o prazo de entrega de seus produtos aos seus consumidores (Leblanc, 2020).

Outro grande diferencial da cadeia da Amazon é a forma única na qual ela gerencia seus estoque e armazenagem. Por exemplo, a empresa utiliza para diferentes tipos de produtos armazéns e galpões de tipos e em localidades diferentes. A empresa ainda seleciona seus produtos por tipo de entrega como por exemplo, prime delivery, one-day delivery, prime now, first-class delivery, entre muitos outros. A empresa baseia seus locais de armazenagem buscando atender as necessidades dos clientes fazendo com isso a sua logística de entrega um dos seus grandes diferenciais.

Sempre inovadora a Amazon em 2019 a empresa iniciou o uso de veículos automatizados chamado Amazon Scout, para entrega nas residências e casas da região noroeste dos Estados Unidos (Taylor, 2019). Podemos observar que a Amazon é uma referência quando falamos em cadeia de suprimentos e em como ela pode inovar e obter vantagem competitiva em sua cadeia de valor.

Citei o caso da Amazon por ser um caso conhecido e para que cada um dos leitores possa refletir que até a maior empresa do mundo deve e deverá estar sempre inovando. Existem inúmeras oportunidades para atingir clientes e gerar novos produtos e serviços. Todo empreendedor deve continuar buscando gerar valor e inovar constantemente. Positividade sempre! Forte Abraço!

Gestão do Tempo

Jean Chamon

Muitas vezes buscamos atender várias demandas de forma simultânea, demandas essas do ponto de vista familiar, religioso, profissional e social. Hoje temos que nos fazer presentes não somente no mundo físico, mas também no ambiente virtual tornando o gerenciamento do tempo ainda mais problemático. Confesso que sou saudosista do período em que no máximo o ambiente virtual era composto por e-mails e sistemas gerenciais e empresariais. Como todos sabemos, temos hoje enorme disponibilidade de informação, mas a chave é como transformar tudo isso em conhecimento. Gerenciar o nosso uso das 24 horas do dia é também gestão do conhecimento.

Nessa pandemia a gestão do tempo ainda está mais difícil. Tentamos resolver tudo que ficou parado nos últimos 12 meses e colocar a cabeça no lugar depois de um ano atípico. Me incluo nesse grupo que se encontra com dificuldades de gerenciar as rotinas e atividades diárias. Inclusive nos últimos 2 meses não enviei meu artigo mensal ao nosso editor por má gestão do meu tempo. Existe sempre a pressão da entrega com eficiência e, principalmente, pessoas que são multitarefas tem grande dificuldade de gerenciar suas 24 horas.

De toda maneira, devemos ver o tempo como um recurso igualitário. Citando um artigo que li outro dia o tempo é um grande nivelador, sendo o único recurso que é distribuído a todos de forma igualitária (Ligonier Ministries, acessado 2020). Eu creio que o grande diferencial é a forma como utilizamos o tempo.

Citando o podcast de um grande amigo Pastor da Igreja A Casa, Célio Martins,   “devemos sempre pensar o que mais consome nosso tempo diariamente. Devemos Focar nosso tempo naquilo que fazemos melhor”. 

Dessa forma, gostaria de deixar pequenos lembretes que podem tornas nossas rotinas e atividades diárias melhor gerenciadas e contribuir para sermos mais felizes.

 Aproveite melhor as primeiras horas do dia que normalmente são livres de distrações e interrupções. 

 Redirecione seu foco. Por exemplo defina quais eventos e atividades são realmente importantes para você participar. É impossível participar de tudo com total absorção de conhecimento.

 Busque realizar mais atividades com menor esforço. Tem uma expressão em inglês que define de forma perfeita essa questão “Think smarter not harder”.

 Defina suas prioridades. As vezes um simples cronograma pode nos ajudar em nossa organização semanal.

  Não podemos controlar tudo. Foque naquilo que você faz melhor e em contribuir para as pessoas mais próximas.

  Aproveite momentos de ações mecânicas como por exemplo, quando está dirigindo para escutar um audiobook e aprender algo novo. Você absorverá conhecimento e utilizará melhor seu tempo.

 Por último e não menos importante, descanse, medite e ore para encontrar o foco necessário em busca dos seus objetivos. Lembre-se que até o Pai descansou após a criação. O descanso existe para reativarmos nossa criatividade e produzirmos melhor.

Finalizando, evite palavras e crenças limitantes do tipo “estou sempre ocupado”, “não tenho tempo para nada”. Busque deixar o seu legado pessoal, como diria o apostolo Paulo. Viva o presente para aproveitar melhor o tempo que temos. Fiquem com Deus! Positividade sempre!

Transição de Vida

Inteligência emocional diante das adversidades

Dando continuidade ao nosso artigo do mês anterior, vamos continuar nossa jornada junto ao imigrante que veio nos últimos 10 anos devido à crise moral, política, social e econômica que assolou o Brasil.   

Como falado anteriormente, “muitos imigrantes possuem ou possuíam carreiras consolidadas e de destaque em nosso país”. Em virtude da crise, infelizmente nos últimos meses, temos observado um movimento inverso da comunidade brasileira decidindo retornar à pátria. Nas redes sociais temos visto de forma corriqueira anúncios do tipo “família vende tudo”. Nos períodos de tormenta às vezes o fato de sermos expatriados torna a crise ainda mais difícil de ser gerenciada.  

Diante desse cenário, muitos têm se perguntado se é melhor retornar ao país de origem ou continuar tentando conquistar seu espaço aqui nos Estados Unidos. Para o imigrante dessa geração que ainda não possui raízes fortes e robustas em solo norte-americano, o questionamento ainda é mais intenso e a questão de adaptação cultural é um fator a ser considerado.

Para muitos a escolha em viver na América se deu pela possibilidade de propiciar aos filhos formação, valores e crenças alinhados as crenças da família ou de maneira diferenciada ao que era vivenciado no Brasil. 

Em um olhar generalista, observa

mos nessa geração de jovens brasileiros que chegaram na última década o crescimento intelectual, moral, sem falar da grande vantagem em serem bilingues. Os brasileirinhos que aqui se formam, se encontram imersos em uma salada cultural que proporcionará ganhos incomensuráveis no futuro dessa geração.

Em qualquer situação creio ser fundamental a análise de vários pontos para uma tomada de decisão assertiva. Analisar os pros & cons ou como aprendi nos escoteiros thorns & roses é uma boa forma de criar massa crítica para uma tomada de decisão que poderá mudar o rumo da sua vida e da sua família. 

Deixando de lado a questão político-social que no Brasil se transformou quase em uma questão passional em que de um lado um grupo acredita que tudo está melhorando e outro acredita que o que era difícil está quase impossível. Tente analisar o cenário Brasil de forma imparcial vendo os pros & cons para você, sua família e seu negócio. Um exemplo clássico a depender do seu segmento econômico/profissional talvez o dólar elevado seja uma grande oportunidade para fazer novos negócios. 

Observando a situação aqui nos Estados Unidos, outro fator importante é analisar quais são os seus diferenciais enquanto profissional ou empreendedor e possibilidades em ficar nos Estados Unidos. Por exemplo se você é da área de tecnologia, talvez o fato de ser brasileiro bilingue possa estabelecer vantagem em relação aos demais pois a questão do localization ou culturalization nunca esteve tão em alta. Esse é um ponto forte para decisão em ficar na América. 

Nosso intuito não é apresentar nenhuma ferramenta de gestão, e sim instigar ao nosso leitor a colocar em sua balança pessoal o que é melhor para você e sua família. No quesito das relações interpessoais e familiares somente os envolvidos podem efetuar uma decisão de forma clara visando o melhor. Você sempre tem escolha! E muitas vezes nas adversidades podemos encontrar grandes possibilidades. Pensamento positivo sempre! 

2021 Escolha Ser Feliz

Jean Chamon

Aqui nos encontramos em um novo ano e mesmas velhas questões para trabalharmos. Como é começo de ano talvez seja o momento oportuno para virarmos a página e abandonarmos todo um movimento de tristeza e destruição que tem tentado abafar a vida de muitas famílias ao redor do mundo. Esse sentimento negativo de uma conspiração infinita tem que parar. A única forma que vejo é se vibramos nossos pensamentos de forma positiva e vendo todas as dificuldades como forma de crescimento e nos colocando em direção do Criador.

Talvez você nesse momento possa estar se indagando e concluindo que minha vida está ganha. Te garanto que não: nesse momento tive que parar e repensar vários planos de início de ano e redirecionar alguns objetivos para 2021. Eu e minha família fomos diagnosticados com COVID-19 e enquanto escrevo estou em completo isolamento social e com as dificuldades e sintomas que a doença nos impõe. Pensei inclusive em escrever ao nosso editorial e informar que não encaminharia meu artigo mensal.

No meio desse turbilhão de pensamentos e preocupações me veio a intuição de que devemos refletir sobre algo maior para as nossas vidas. É chegada a hora da TOMADA DE DECISÃO. Muito falamos sobre esse tema, nas empresas e nas escolhas do cotidiano. Talvez devêssemos utilizar o processo de tomada de decisão e abandonarmos definitivamente os problemas inflacionados pela mídia e optarmos pelo autocontrole das nossas vidas, com fé, em família e focado na busca da felicidade.

Para tanto, vejo que além do processo de tomada de decisão algumas ações e posturas devem ser incorporadas em nosso cotidiano para o alcance de um ano mais estável e feliz:

POSTURA DIANTE DAS DIFICULDADES 

Todos passamos por problemas e as vezes a forma como enxergamos ou encaramos faz toda a diferença. Grandes pessoas transformam desafios e obstáculos ao seu favor. Muitas ideias surgem em momentos de dificuldade.

Deixe de lado a SÍNDROME DO COITADINHO

Ficar parado esperando alguma mudança em nada ajuda a enfrentar ou retirar as pedras do caminho. Creio que ação proativa em direção a resolução de problemas é o primeiro passo. Seja autor das mudanças da sua vida.

Busque ajuda e apoio naqueles que te puxam para cima

Busque na sua fé, terapia, aprendizado ou onde quer que as opções se apresentem.  Fomente hábitos e atitudes que possam mudar positivamente a sua vida.

Vigie a sua postura

Busque encarar sempre os desafios com uma postura de quem pode atravessar e vencer todas as batalhas. 

A PRIMEIRA COISA QUE TODO VENCEDOR POSSUI: VONTADE DE VENCER

No isolamento em que me encontro, tenho refletido sobre aquilo que realmente vale a pena e o que é total desperdício de tempo. Temos que iniciar e incitar um movimento do bem em direção as coisas boas e que nos fazem bem. Se ficarmos vibrando no emprego que perdemos, dívidas que acumulamos, problemas de família ou ainda em todo o movimento político-social que tenta nos transformar em escravos das News e Fake News quase instantâneas, será muito mais difícil seguirmos adiante.

ESTÁ NA HORA DE FALAR:  QUERO SER FELIZ

Esse é o primeiro passo, o da tomada de decisão! Posteriormente virão as etapas do como, onde e de que maneira. Estude para aprender algo novo, procure estar mais próximo de Deus, reconcilie com sua família. Cada um sabe dentro de si o que realmente necessita. Reflita e procure fazer algo construtivo e que poderá ajudar alguém. Quando ajudamos, creio que somos mais que ajudados. 

Mais uma vez reafirmo que se virarmos a página e decidirmos ser mais felizes a vida fica mais leve e gostosa de viver! 

FORTE ABRAÇO E POSITIVIDADE SEMPRE.

O melhor dos dois hemisférios

Jean Chamon

Em nosso último artigo do ano não vamos falar sobre gestão, crise ou pandemia. Estou nesse momento escrevendo em solo brasileiro. Resolvi passar minhas férias de final de ano com a família no Brasil. Como muitos brasileiros que vivem em solo norte-americano desenvolvo muitas atividades profissionais nos dois países e por conta da pandemia vou poder celebrar a virada em nosso país. 

Nesse mês, gostaria de falar somente de positividade. Estando em terras brasileiras já há alguns dias e aclimatado ao nosso estilo de vida, escreveremos sobre o melhor dos dois hemisférios, ou como queiram do Brasil e do Estados Unidos.

Nesse ano em que todos atravessamos dificuldades, tentar ver o lado bom das coisas é fundamental. Claro que dificuldades temos nos 2 países principalmente para os imigrantes que necessitam de adaptação ao estilo de vida da pátria que nos recebeu.

Sabemos ainda que existem vários “Brasis” nos 27 estados brasileiros com suas comidas, sotaques, clima e cultura. Nos Estados Unidos contamos com diferenças consideráveis nos 50 estados que sempre que possível busco aprender e viajar para assimilar melhor a cultura norte-americana. 

Sugiro que cada leitor faça a sua própria lista de gostos, saudades e pontos positivos. Atribuir coisas boas e positivas onde quer que estejamos atrai coisas ainda mais positivas e benéficas. 

Falando de Brasil, analisando o ponto de vista profissional sempre valorizei a criatividade e adaptabilidade do profissional brasileiro que muitas vezes supera barreiras e cria produtos inovadores e inesperados. Vejo ainda que apesar de muito sofrido nosso povo segue sempre adiante. A resiliência do brasileiro é fenomenal.

O jeitinho brasileiro, quando usado para o bem é uma das melhores características do nosso povo que quando utilizado na resolução de problemas rompemos qualquer barreira.

Vou ao assunto que mais me encanta no Brasil que é a riqueza culinária. A forma de como nossa salada cultural é formada faz o Brasil gastronômico um lugar único, misturando o melhor de vários povos e culturas adaptados ao nosso paladar. Isso sem falar nos pratos regionais: comida mineira, nordestina, cafés coloniais da região sul, os peixes e iguarias da Amazônia. Posso passar horas redigindo e refletindo quais seriam as minhas comidas favoritas, mas infelizmente sou limitado pela quantidade de caracteres do editorial. 

Em resumo, quando se trata de Brasil sou apaixonado pela comida e pelo povo. Sugiro reflexão individual sobre suas preferências. Rememorar coisas boas vivenciadas é sempre um exercício de positividade. Lembre-se que somente rememoramos aquilo que vivenciamos.

Em relação aos Estados Unidos, pátria que muito bem acolhe milhões de expatriados a lista de favoritos é diferenciada e complementar a lista de favoritos brasileiros.

Primeiramente, uma das primeiras coisas que me encanta é a forma de organização e seguimento de normas e procedimentos o que torna a vida mais clara de se seguir e com menos atropelos ao caminhar. A rotina norte-americana em meu caso me torna uma pessoa mais estruturada.

Outro fator que vejo como positivo na América é que aprendemos quase tudo. O DIY faz parte das nossas vidas de maneira constante. Graças ao acesso à tecnologia e a quase todo tipo de ferramentas podemos desenvolver e descobrir novas habilidades.  O DIY faz a vida na América ser mais real e independente.

O respeito ao direito, cidadania e o civismo são pontos fortes na formação norte-americana. Vejo ainda que o sistema educacional valoriza a meritocracia e as competências e habilidades de cada um. Com esforço e dedicação todos tem oportunidades.  

Por último e não menos importante, o respeito ao trabalhador independente da sua formação profissional ou acadêmica. Na América se você trabalha, ao final de sua jornada você será remunerado com valor digno independente da sua formação ou trabalho exercido. Todos trabalham, do jovem ao idoso e o trabalho é visto como dignificante.

Como expatriado gostaria de lembrar que vivemos e viveremos sempre entre dois hemisférios e creio que podemos focar no bom que nos é proporcionado sempre. Meu sonho de consumo é que para 2021 eu possa mesclar um time Brazuca e Americano com o melhor dos dois, pois creio que as melhores equipes, sabores e novas descobertas são formadas pelas misturas e diferenças.

Vejo vocês em 2021!

Fiquem com Deus! Positividade sempre!