É preciso ser muito incompetente para não se reeleger presidente nos EUA

Roberto Lima

Na área da Saúde é natural que, como em outras áreas abordadas por Trump com ordens executivas, o desmantelamento do Afordable Care seja rescindido.  Eu pagava menos de mil e cem dólares por mês de seguro de saúde com Obama – sem recorrer ao que chamam de Obama Care – e passei a pagar mil, novecentos e setenta dólares por mês com Trump, um valor quase do tamanho de minha mortgage. Não vou sentir saudades de Trump.

Na economia não tenho nenhuma ilusão, nem acredito em milagres. Independente de quem assumisse em janeiro, o cenário pandêmico seria desolador. Espero que Biden consiga, pelo menos,  repetir Barack Obama, que recebeu a economia em frangalhos (e com duas guerras) e organizou a casa até a passagem do bastão para o seu sucessor.

Na questão do Meio Ambiente, o atual governo parece não acreditar em ecologia, ignora o aquecimento global, rompeu com o Tratado de Paris e nada fez para dissuadir o governo brasileiro de virar as costas para as constantes queimadas na Amazônia. Trump está se lixando para o cenário vigente no meio ambiente, mas o novo governo já dá sinais de que essa será uma de suas bandeiras. Espero que ocorra uma grande melhora.

Com relação às relações internacionais, o setor diplomático norte-americano terá diante de si uma tarefa hercúlea. Donald Trump retirou os EUA da OMS, do Acordo de Paris e de outras organizações internacionais. Ele é um “jênio”.  Por mais que possam onerar, esses acordos são importantes, porque os aliados podem interferir em eventuais situações de contenda com vizinhos seus. Tenho esperança de que a truculência do trumpismo possa ser substituída por mais diplomacia e bom senso.

É preciso ser muito incompetente para não se reeleger presidente nos EUA. E Donald Trump se provou horrível, pífio, divisivo e incompetente. Nunca se odiou tanto, como agora. O supremacistas brancos tiveram em Donald Trump uma plataforma clara e inequívoca, dificultando a vida de imigrantes, negros e outras minorias. Muito mais do que recuperar as finanças esfrangalhadas pela pandemia, a maior tarefa do governo Biden-Harris será remendar a relação entre os próprios norte-americanos, que ficou bastante estremecida após um governo tão desagregador como esse. Donald Trump já vai tarde. Tomara que não volte.

Roberto Lima nasceu em Pedra Corrida, Minas Gerais e vive nos Estados Unidos desde 1984. É Jornalista e escritor, publicou Colosso Ciclone e Tango Fantasma. Há 32 anos é o fundador e Editor do Brazilian Voice. Tradicional jornal brasileiro distribuído para a  comunidade brasileira de New Jersey.