Geração Z e a satisfação no ambiente de trabalho

Jean Chamon

A o longo do tempo a população humana cresce e se expande. Para os estudos comportamentais e sociais usa-se o termo Geração para classificar e descrever um grupo de pessoas com idades similares em um período influenciados pelas mesmas circunstâncias sociais. Estudos apontam que os indivíduos que vêm da mesma geração têm um modo de pensar parecido em consequência de viver as mesmas experiências econômicas, culturais e políticas.

Essas similaridades do modo de pensar influenciam diferentemente as atitudes e comportamentos de cada geração. Concomitantemente, no mundo do trabalho, três gerações estão tendo que trabalhar juntas, sendo elas os “Baby Boomers” (nascidos depois da Segunda Guerra Mundial), geração “X” (1965-1976) e geração “Y” (1977-2000). Atualmente, a Geração “Z”, (nascidos a partir dos anos 2000, alguns estudos incluem os que nasceram após 1995) começa a se juntar ao mercado de trabalho.

O século XX apresentou novos desafios como o aumento em mais de trinta anos de expectativa de vida, estimando que em 2050, 22% da população terá mais de 60 anos. As inovações tecnológicas cada vez mais rápidas bem como a visão de autodesenvolvimento do ser humano para lidar com essa nova realidade. 

A geração “Z” é conhecida como um grupo de pessoas que nasceram em um mundo digital na qual as tecnologias têm um grande impacto nas atividades humanas estando a tecnologia intrínseca em suas personalidades. Alguns estudos descrevem essa geração como conectada, comunicativa, centrada em conteúdo, computadorizada, orientada pela comunidade, e como a geração de mudanças, também chamada geração “C”. 

Outra característica é a presença constante de criatividade e inovação com acesso a informações ilimitadas. Com tantos estímulos e acesso ilimitável à informação, a geração “Z” tende a ser mais focada a tarefas, a ter muitas opções de escolha, ser mais educada e sofisticada, também gosta de prestar sua opinião com sinceridade. Tem uma excelente habilidade de absorver informação e de realizar diferentes tarefas e ser mais produtiva. No entanto, a geração também tem a tendência a mudar facilmente algo, quando não está gostando, ou seja, acaba tendo dificuldade de comprometimento com uma organização. 

De outra forma, pesquisa realizada em 2021 pela CCB (Carson College of Business) com mais de 1000 trabalhadores da geração “Z” indicaram que:  

• Eles se preocupam muito com sua carreira. Eles são preocupados com o crescimento na carreira, têm altas ambições, mas exigem um ambiente estimulador e querem ser reconhecidos por seu trabalho. 

• Eles estão preparados para voltar aos escritórios – A maioria da Geração “Z” já nasceu com as telas e tecnologias em suas mãos. Porém com a pandemia, eles estão apresentando alguns prejuízos a saúde mental pelo trabalho remoto. Comparados as gerações mais antigas, a geração “Z” tem mais chances de ser impactados pelas distrações, alteração de foco e desbalanceamento entre trabalho e qualidade de vida que o trabalho remoto tem gerado. 

• O valor organizacional importa – 83% dos entrevistados relataram que querem trabalhar em uma empresa onde possam impactar e contribuir positivamente para o mundo. E 75% relataram que eles valorizam um equilíbrio saudável entre trabalho e vida. 

• Eles são preparados e prontos para o trabalho. Eles trazem habilidades técnicas e criatividade para o ambiente de trabalho. Eles são tecnologicamente hábeis, são mais criativos e desenvolveram maiores habilidades de ciências, matemática e tecnologia. 

• Eles são otimistas em relação ao futuro – 68% dos entrevistados estão otimistas em relação ao futuro mesmo após a pandemia. Se os empregadores forem leais com os funcionários, trabalharem para a reputação de suas marcas e ajudá-los a desenvolver seus talentos eles alcançarão uma melhor performance. 

Segundo a mesma pesquisa do CCB  para que os líderes empresariais consigam atrair e reter os talentos da geração “Z”, é importante reconhecer os valores e as expectativas dessa geração. Segue um resumo das suas principais expectativas: 

• Desejo de fazer um impacto positivo 

no mundo (83%).

• Ter uma ambição e altas perspectivas (79%).

• Equilíbrio saudável entre trabalho 

e qualidade de vida (75%).

• O desejo de trabalhar em uma empresa cujos valores estão alinhados com os seus (70%).

• Gratificação pelo trabalho bem desenvolvido (63%).

• Poder ser promovido rapidamente (63%).

É preciso estar atento a essas transformações, pois inclusive já estão alterando o ambiente de trabalho, considerando que os “Baby Boomers” estão se aposentando e a demanda pela geração “Z” vai aumentar consideravelmente. As empresas precisam elaborar estratégias para entregar o que a Geração “Z” espera e trazer o melhor deles para o mundo do trabalho. 

A geração “Z” se motiva com trabalho significativo querendo influenciar tudo o que fazem. Gostam de fazer escolhas e de se expressarem. Tem atitudes mais leves e descontraídas. Assim sendo, conhecendo as características nessa nova geração, as empresas e os líderes podem inserir mudanças em sua cultura organizacional para que esses novos entrantes no mercado de trabalho performem em todo seu potencial, e uma vez que eles estão satisfeitos e motivados, as empresas conseguirão uma retenção maior desses profissionais. 

Positividade Sempre! Forte abraço.

About Jornal Brasileiras & Brasileiros