Legado de um visionário

Edilberto Mendes

O envelhecimento consciente, sereno e saudável é uma das maiores dádivas de Deus.

Entender a hora certa de parar e sair de cena é algo de consciência suprema.

Agir na hora exata de passar o bastão aos mais jovens para que prossigam e tentem novos passos, novos rumos é coisa de mestre. É assim que aprendemos e praticamos na vida… quando deixamos a escola, quando um filho se vai para a formação de uma nova família.

No meu caso, minha hora chegou e eu me retirei de cena. Entendi que o sonho que sonhei durante todo tempo fazer da comunidade brasileira uma presença forte na América, não foi em vão.

Tivemos conquistas expressivas. As próximas gerações hão de se orgulhar de nós, os precursores.

O retorno

Resolvi voltar ao Brasil em função de minha aposentadoria e para usufruir da companhia do que resta da minha família e de amigos…muitos deles já se foram e eu não estava aqui. Sensação de dever cumprido.

Hoje curto um Brasil diferente e genial, mas totalmente de cabeça para baixo, lutando para extinguir a corrupção. O país anda em busca de respostas.

As minhas considerações são importantes?

Sei lá… e nem sei se posso oferecer ideias para alguma mudança.

Mas como um Don Quixote estou sempre sonhando.

Ainda existe uma resistência muito grande de alguns setores, principalmente o cultural de aceitar ideias novas, de ouvir e aceitar a voz da experiência, mesmo que seja para melhorias significativas.

Muitos dos brasileiros que retornarem um dia à pátria amada gentil, na certa, sentirão a mesma sensação que eu tive em meu retorno.

Mas vale a pena tentar e descobrir um Brasil que a gente não conhece.

O Brasil é um pais maravilhoso, o brasileiro um ser humano sem precedentes, mas sem líderes de fato, sem propostas concretas, lutando contra a corrupção.

No meu entender, este é o pano de fundo.

Viver no Brasil não tem segredos

Viver o Brasil e no Brasil é coisa muito simples. Entender o país e seus problemas, suas mazelas e não comparar nada com aquilo que ficou para trás. Por mais idealista que seja não querer consertar nada e ninguém, mesmo que se tenha ideias geniais do primeiro mundo onde vivemos uma boa parte de nossas vidas.   

Por aqui encontra-se muito pouco aceitação. Let it be…

O país é lindo, o povo genial e uma natureza sem igual. Viver como é possível…

Uma pena… O sonho não foi em vão.

Simples e reto –  Nunca lamentar que as nossas muitas melhores ideias foram aplicadas no exterior, e não aqui, e algumas com absoluto sucesso.

Edilberto Luciano Mendes, morou nos EUA desde 1980. Visionário e idealista. Criou projetos ousados como a inclusão dos brasileiros no Census Americano, como uma etnia diferenciada de povos que falam português. Produtor executivo do Brazilian Day in N.Y e editor do jornal The Brasilians ,durante 30 anos. Um dos fundadores da ABI-Inter que aglutina a mídia brasileira no mundo. Vive atualmente em Belo Horizonte executando projetos culturais. edilbertomendes@gmail.com