Mentalidade do Imigrante

Jean Chamon

Dando continuidade ao nosso texto da edição anterior que falava sobre mentalidade de crescimento, vamos aprofundar fazendo a correlação com a mentalidade do imigrante que geralmente atravessa múltiplos desafios nessa jornada. 

É sabido que cada pessoa tem sua própria configuração genética, mas hoje se acredita que por meio de experiências, treinamento e esforço pessoal muitas habilidades podem ser desenvolvidas durante um ciclo de vida. Atualmente, a postura e mentalidade tem a capacidade de mudar seu perfil psicológico e os resultados em sua vida, negócio ou família.

Conforme afirmado pela Dra. Carol Dweck em seus estudos, quando pessoas acreditam que suas qualidades básicas podem ser desenvolvidas e melhoradas, as falhas, desafios e frustrações quando acontecerem irão de toda forma trazer dificuldades e dores, mas certamente não serão definidores de uma postura ou situação. 

No caso do imigrante vejo que essas afirmações são um exercício diário, pois mindset de crescimento estimula o alcance de objetivos por meio de ações e trabalho duro (Yeager, Dweck, 2020). Analisando do ponto de vista do imigrante, o mindset de crescimento estimula uma melhor adequação e adaptação em vários estágios do seu processo imigratório como por exemplo: Podemos elencar inúmeras questões em que a mentalidade de crescimento favorecerá o imigrante para ser mais bem sucedido em suas escolhas de vida, encarando de forma aberta e plena os desafios e aprendizados oferecidos.

A Dra. Dweck (2006) apresentou estudo que podemos relacionar com a vida do imigrante. O estudo se deu sobre o aprendizado de línguas na Universidade de Hong Kong analisando os perfis de mentalidade fixa e de crescimento. As classes regulares na universidade são ofertadas em língua inglesa e muitos alunos não possuem proficiência na língua. A universidade pesquisou se a oferta da disciplina de língua inglesa para alunos não proficientes seria bem recebida pelos calouros. Como resultado da pesquisa os alunos identificados com mentalidade de crescimento afirmaram enfaticamente que teriam interesse em fazer a disciplina. Entretanto, os alunos com mentalidade fixa, negaram a possibilidade de fazer parte da disciplina ofertada.

Em uma análise simples relacionada ao expatriado, é sabido que muitos por questões de não proficiência na língua nativa do país em que vivem optam, por receio de falhar, em viver somente em comunidades de imigrantes da mesma etnia e continuar falando a língua pátria. Correlacionando com o estudo da professora Carol Dweck vejo um espelho que muitos dos imigrantes pelo pensamento fixo se colocam em situação de evitar desafios ou potenciais derrotas. De forma direta podemos inferir que o imigrante com pensamento e mentalidade de crescimento tem maior chance de aprendizado da língua local do país que decidiu viver.

Outro fator que podemos correlacionar o tema ao mundo dos negócios e carreiras. Muitos imigrantes de mindset fixo buscam continuar os mesmos tipos de negócios e atuações profissionais que anteriormente exerciam em seu país de origem, sem observar que o cenário mudou completamente.

De outra forma, bem como os CEOs de sucesso, a mentalidade de crescimento no imigrante pode auxiliar a possibilidade de inovar e desenvolver produtos, aptidões, carreiras e habilidades que lhe forem apresentadas entrando em um ciclo de aprendizado contínuo em toda a sua vida. Historicamente, muitas nações foram e são desenvolvidas por imigrantes inovadores que certamente apresentam mentalidade de crescimento em muitos casos.

O imigrante que foca cada situação como oportunidade de aprendizado, sairá ao final da jornada muito mais forte e preparado do que quando se posiciona de forma negativa e estagnada, visualizando apenas os problemas. Modificando o pensamento, tão logo construirá novos hábitos que resultarão em ações impactantes para os objetivos que querem alcançar. 

Positividade sempre! 

Forte abraço!

About Jornal Brasileiras & Brasileiros