Mudança climática faz nível e temperatura dos mares baterem recorde em 2018

O nível e o aquecimento dos oceanos continuaram aumentando em 2018 até alcançarem níveis recorde como consequência da mudança climática, segundo dados divulgados pela Organização Meteorológica Mundial (OMM).

A OMM, um dos órgãos científicos da ONU, revelou sua última declaração sobre o estado do clima, que adverte que os sinais físicos e os impactos socioeconômicos da mudança climática são cada vez maiores.

Esse documento, sobre o qual já tinha sido publicada uma versão provisória em novembro do ano passado, afirma que 2018 teve a quarta temperatura média mundial mais elevada desde que tais dados começaram a ser registrados.

No entanto, o ano passado foi o mais quente de todos nos quais ocorreu o fenômeno La Niña, marcado por temperaturas mais reduzidas no Pacífico. Assim, a OMM ressalta que 2018 continuou com a tendência ao aquecimento.

Outros indicadores climáticos, como o calor oceânico, alcançaram no ano passado novos níveis máximos, ultrapassando o recorde estabelecido em 2017.

Segundo a OMM, o conteúdo de calor dos mares fornece uma medição direta do acúmulo de energia nas camadas superiores do oceano, onde acaba mais de 90% da energia retida pelos gases do efeito estufa.

O nível do mar também continuou subindo, e em 2018 a média global foi aproximadamente 3,7 milímetros mais alta que em 2017, um novo recorde. A principal causa deste fenômeno é o recuo das camadas de gelo, segundo o relatório da OMM.

Durante 2018, a extensão de gelo marinho no Ártico foi muito abaixo da média e se manteve em níveis baixos já vistos durante os dois primeiros meses do ano. A extensão máxima anual, que se deu em março, foi a terceira mais baixa já registrada nessas datas desde que estas medições começaram a ser feitas, em 1979.

No caso da Antártida, o gelo marinho também esteve entre os níveis mais baixos dos quais se tem notícia, enquanto a camada de gelo da Groenlândia aumentou graças a uma queda de neve acima da média, mas isso teve pouco impacto na tendência à redução que se observa há duas décadas.

A OMM, que habitualmente apresenta este relatório em Genebra, o publicou este ano em Nova York, onde está em curso uma reunião de países de todo o mundo para discutir, entre outros assuntos, os preparativos da cúpula sobre o clima convocada pelas Nações Unidas para setembro.

About Jornal Brasileiras & Brasileiros