MULHER

…Todos os dias, uma média de 137 mulheres é morta ao redor do mundo por parceiros ou outros familiares, conforme relatório inédito…

 

 

Março é considerado o mês Internacional da Mulher. Especificamente comemorado no dia 8 com protestos que defendem a  igualdade de gênero. A data foi Oficializada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, e sua origem se deu na luta de mulheres que trabalhavam em fábricas nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, uma campanha do movimento socialista para exigir seus direitos em melhores condições de trabalho, que segundo elas, eram ainda piores que as dos homens.

Um dos primeiros registros que se pode atribuir a uma manifestação organizada por mulheres foi a grande passeata em 26 de fevereiro de 1909, em Nova York. Na Rússia, em 1917, milhares de mulheres foram às ruas contra a fome e a guerra. Na época, as jornadas de trabalho das mulheres poderiam chegar a 16 horas por dia, seis dias por semana e, às vezes 7. Na Europa o movimento também acontecia nas fábricas. Em agosto de 1910, a alemã Clara Zetkin propôs a criação de uma jornada de manifestações, na Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas. Nos EUA, em 1913, as mulheres protestavam pelo direito de votos.

Apesar de quase 1 século de manifestações, o dia tem uma importância histórica porque ainda é um problema que não foi resolvido. Em geral, as reivindicações mais importantes discutem a igualdade salarial, a criminalização do aborto e a violência contra a mulher. A única coisa que evoluiu nestes 100 anos, é poder discutir o tema abertamente.  Antes, não se podia falar sobre o assunto.

Assédio

O assédio sexual contra a mulher é uma prática comum no mercado de trabalho. Profissionais de saúde sofrem nas duas pontas: de seus pacientes do sexo masculino, geralmente idosos ou bêbados, bem como de alguns colegas de trabalho.

Mulheres que dirigem taxi também são alvos de passageiros homens; e a violência contra a mulher (feminicídio) que ocorre muitas vezes no próprio ambiente familiar, praticado pelo companheiro.

A representação a nível mundial

Mais de 117 milhões de mulheres são imigrantes pelo mundo, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Este número vem crescendo desde os anos 2000, na América do Norte, do Sul, Europa e Oceania. Elas já são a maioria entre os imigrantes de todas as regiões, com exceção da Ásia e da África.

Mulheres que decidem viver sob esta nova realidade sofrem múltiplas discriminações: pelo próprio gênero, cor da pele, por serem estrangeiras e, em geral, por não possuírem documento legal no novo país. Outros fatores que dificultam a vida da mulher imigrante são a gravidez, o idioma, o desemprego, a solidão, o abuso e a violência.

Na sequência de pautas que serão publicadas durante 2010, o B&B abre este espaço para a Mulher Brasileira. Desta vez, a Mulher Imigrante, que tem que enfrentar vários desafios no país estrangeiro. Convidamos Mulheres da comunidade para compartilhar suas experiência de vida com o leitor.

Leia nas páginas seguintes.