O melhor dos dois hemisférios

Jean Chamon

Em nosso último artigo do ano não vamos falar sobre gestão, crise ou pandemia. Estou nesse momento escrevendo em solo brasileiro. Resolvi passar minhas férias de final de ano com a família no Brasil. Como muitos brasileiros que vivem em solo norte-americano desenvolvo muitas atividades profissionais nos dois países e por conta da pandemia vou poder celebrar a virada em nosso país. 

Nesse mês, gostaria de falar somente de positividade. Estando em terras brasileiras já há alguns dias e aclimatado ao nosso estilo de vida, escreveremos sobre o melhor dos dois hemisférios, ou como queiram do Brasil e do Estados Unidos.

Nesse ano em que todos atravessamos dificuldades, tentar ver o lado bom das coisas é fundamental. Claro que dificuldades temos nos 2 países principalmente para os imigrantes que necessitam de adaptação ao estilo de vida da pátria que nos recebeu.

Sabemos ainda que existem vários “Brasis” nos 27 estados brasileiros com suas comidas, sotaques, clima e cultura. Nos Estados Unidos contamos com diferenças consideráveis nos 50 estados que sempre que possível busco aprender e viajar para assimilar melhor a cultura norte-americana. 

Sugiro que cada leitor faça a sua própria lista de gostos, saudades e pontos positivos. Atribuir coisas boas e positivas onde quer que estejamos atrai coisas ainda mais positivas e benéficas. 

Falando de Brasil, analisando o ponto de vista profissional sempre valorizei a criatividade e adaptabilidade do profissional brasileiro que muitas vezes supera barreiras e cria produtos inovadores e inesperados. Vejo ainda que apesar de muito sofrido nosso povo segue sempre adiante. A resiliência do brasileiro é fenomenal.

O jeitinho brasileiro, quando usado para o bem é uma das melhores características do nosso povo que quando utilizado na resolução de problemas rompemos qualquer barreira.

Vou ao assunto que mais me encanta no Brasil que é a riqueza culinária. A forma de como nossa salada cultural é formada faz o Brasil gastronômico um lugar único, misturando o melhor de vários povos e culturas adaptados ao nosso paladar. Isso sem falar nos pratos regionais: comida mineira, nordestina, cafés coloniais da região sul, os peixes e iguarias da Amazônia. Posso passar horas redigindo e refletindo quais seriam as minhas comidas favoritas, mas infelizmente sou limitado pela quantidade de caracteres do editorial. 

Em resumo, quando se trata de Brasil sou apaixonado pela comida e pelo povo. Sugiro reflexão individual sobre suas preferências. Rememorar coisas boas vivenciadas é sempre um exercício de positividade. Lembre-se que somente rememoramos aquilo que vivenciamos.

Em relação aos Estados Unidos, pátria que muito bem acolhe milhões de expatriados a lista de favoritos é diferenciada e complementar a lista de favoritos brasileiros.

Primeiramente, uma das primeiras coisas que me encanta é a forma de organização e seguimento de normas e procedimentos o que torna a vida mais clara de se seguir e com menos atropelos ao caminhar. A rotina norte-americana em meu caso me torna uma pessoa mais estruturada.

Outro fator que vejo como positivo na América é que aprendemos quase tudo. O DIY faz parte das nossas vidas de maneira constante. Graças ao acesso à tecnologia e a quase todo tipo de ferramentas podemos desenvolver e descobrir novas habilidades.  O DIY faz a vida na América ser mais real e independente.

O respeito ao direito, cidadania e o civismo são pontos fortes na formação norte-americana. Vejo ainda que o sistema educacional valoriza a meritocracia e as competências e habilidades de cada um. Com esforço e dedicação todos tem oportunidades.  

Por último e não menos importante, o respeito ao trabalhador independente da sua formação profissional ou acadêmica. Na América se você trabalha, ao final de sua jornada você será remunerado com valor digno independente da sua formação ou trabalho exercido. Todos trabalham, do jovem ao idoso e o trabalho é visto como dignificante.

Como expatriado gostaria de lembrar que vivemos e viveremos sempre entre dois hemisférios e creio que podemos focar no bom que nos é proporcionado sempre. Meu sonho de consumo é que para 2021 eu possa mesclar um time Brazuca e Americano com o melhor dos dois, pois creio que as melhores equipes, sabores e novas descobertas são formadas pelas misturas e diferenças.

Vejo vocês em 2021!

Fiquem com Deus! Positividade sempre!

About Jornal Brasileiras & Brasileiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.