Onde quero estar e como vou chegar lá: a Importância do planejamento pessoal

No período atual de transição paradigmática no qual ocorrem transformações rápidas e constantes, o conhecimento está supervalorizado, e assim somos desafiados para o desenvolvimento de habilidades, o aprendizado contínuo, o uso de novas tecnologias, criatividade, inovação, geração de valor e liderança. Buscamos ainda, uma atuação marcante em nossa comunidade para influenciarmos positivamente nosso círculo social. 

Nossas redes pessoais e profissionais estão cada vez mais repletas de relações e com isso estamos sempre atarefados e em busca de cumprir as atividades cotidianas além de estarmos pressionados pelo excesso de informação. Hoje gerenciamos duas vidas:  a vida real e cotidiana e a vida digital.

Sendo assim, passamos por muitos questionamentos sobre como ter uma vida estruturada, ativa e feliz. Para os residentes em outros países a cobrança é ainda maior pois somos cobrados pela cultura de nascimento, pelo processo de aculturamento do país de residência e ainda pelas dificuldades de adaptação e aprendizado diário. Nessa questão, nós, os expatriados, temos dupla cobrança e constante aprendizado da língua, costumes e hábitos.

Todos sabemos que devemos tocar os nossos barcos, mais daí nos perguntamos: Para onde vamos? Precisamos de um norte para nossas vidas!

A questão da autoajuda está muito em voga em diversos programas, cursos e livros, sendo tema de best-sellers e palestras muito conceituadas e procuradas. Não entraremos nesse quesito que envolve inteligência emocional. O intuito desse artigo é falar sobre algo muito mais simples, a organização, o planejamento pessoal de sua vida, usando ferramentas simples.

Muitas vezes pensamos em planejamento e estratégia como ferramentas e disciplinas restritas ao mundo corporativo. Entretanto se utilizarmos algumas delas no nosso cotidiano, seremos mais organizados, estruturados e, quem sabe, mais completos e felizes. Sempre gosto de usar a seguinte frase: A gestão vai muito além das empresas e organizações, gestão bem feita começa em casa.

Alguns conceitos básicos são necessários para que possamos melhor explorar a temática e aplicá-la em nosso dia a dia.

Se referindo a empresas, Kotler e Armstrong (1999, p. 23) definem de forma direta o planejamento estratégico como “o processo de desenvolvimento e manutenção de uma referência estratégica entre os objetivos e capacidade da empresa e as mudanças de suas oportunidades no mercado”. Podemos equiparar o conceito de planejamento estratégico ao planejamento de vida focando no horizonte de longo prazo, ou seja, pensando em onde queremos chegar, com objetivos claros. Veremos, então, quais ações deveremos executar para alcançar os resultados desejados. 

Adaptando os clássicos do planejamento empresarial para nossas vidas seis etapas se mostram fundamentais para nos nortear nessa trajetória: (Leia box)

Enfoque a definição dos seus objetivos por períodos de tempo, por exemplo, objetivos a serem alcançados em 1 ano, em 5 anos e em 20 anos.  Escreva de forma simples e revise seus objetivos periodicamente.

Mas juntamente com a definição de objetivos, é muito importante sabermos do cenário onde estamos e quem somos. Sugiro um olhar direcionado para o nosso ambiente externo e interno utilizando uma ferramenta simples que é a análise de S.W.O.T (Strength, weakness, opportunity, threat), termo em inglês que significa, forças, fraquezas, oportunidades e ameaças.

A análise do ambiente interno e externo permite a cada um formular suas estratégias, buscando alcançar seus objetivos.  A análise de SWOT surgiu nos anos 60 e foi difundida em 1973 pelo pensador Kenneth Andrews com o objetivo de enfatizar os pontos fortes da empresa e moderar o impacto dos pontos fracos. Também permite identificar pontos fortes que ainda não foram utilizados e os pontos fracos que podem ser corrigidos, contribuindo para formulação de estratégias realistas. Para que os seus objetivos atingidos deve-se combinar os pontos fortes com as oportunidades. (GHEMAWAT, 2000)

Todos temos pontos fortes e fracos e conhece-los é o primeiro passo para que possamos direcionar o nosso barco rumo aos nossos objetivos pessoais de forma integrada e equilibrada. Como em uma empresa que conta com vários recursos humanos e organizacionais devemos olhar nossas compe

tências e habilidades e também pontos que temos que melhorar ou que podem ser trabalhados.

As ferramentas e teorias de gestão podem em muito facilitar nossas vidas mostrando que somos capazes de inovar, desenvolver o pensamento holístico, sermos críticos e reflexivos, buscando com nossas competências e habilidades alcançar o que desejamos! Ter informação é importante, mas como utilizá-la para gerar conhecimento e satisfação pessoal é o X da questão.

 

JEAN MARCEL CHAMON
• MBA e especialista em Gestão Universitária com 19 anos de experiência na área da educação. • Sócio fundador da UNIFLUENT.
• Diretor da Central Florida Brazilian American Chamber of Commerce – CFBACC  • Conselheiro, Ex-presidente do Conselho e Ex-diretor executivo da Associação Nacional dos Centros Universitários ANACEU. • Ex-Diretor de Relações Institucionais e Conselheiro do Conselho Regional de Administração do DF – CRA/DF  • Autor e editor de publicações na área de gestão e políticas públicas da educação. Jeanchamon@gmail.com

About Jornal Brasileiras & Brasileiros