Os filhos são resultado dessa felicidade

A jornalista Patrícia Pioltini pode se considerar uma privilegiada. Ela sempre quis ter filhos, mas preferiu priorizar a carreira e só depois de seis anos de casada, teve o primeiro filho, aos 36 anos. O segundo aos 38 e o terceiro aos 40 anos.

Privilegiada porque muitas mulheres que fazem o mesmo, quando se decidem pela gravidez, nem sempre o relógio biológico ajuda. E o sonho de ser mãe acaba se tornando uma frustração.

“Ser mãe um pouco mais tarde me trouxe mais tranquilidade, me senti segura na decisão. Acredito que ser mãe é bom em qualquer idade. As mais jovens podem ter mais energia, disposição, mas uma das vantagens de esperar um pouco é estar mais estruturada emocional e financeiramente” – diz ela.

Patrícia considera a maternidade um enorme desafio. “Ser mãe – complementa – é o melhor presente que uma mulher pode receber. Dar a vida a alguém e poder ensinar esse alguém com o seu melhor é gratificante”.

Em momento nenhum ela se arrepende de ter tido os filhos, mas se tivesse que tomar a decisão hoje, com a maturidade dos seus 51 anos, não sabe se os teria e justifica: “O mundo está muito cruel, perdeu a base familiar. Hoje há muito extremismo. E não consigo ver um mundo melhor para os meus filhos. Na minha época, a gente brincava na rua, não tinha violência. Além disso, o mundo está muito virtual. A tecnologia trouxe progresso mas afastou o ser humano. Não consigo me imaginar começando a tarefa de ser mãe nesse mundo tão carente de amor”.

Para ela, os filhos selam uma união, mas o casal deve se bastar, independentemente de ter filhos ou não.

“Antes de sermos pai e mãe, somos amigos, companheiros, amantes. Os filhos são resultado dessa felicidade. Não acredito que a cumplicidade do casal aumente por causa dos filhos e se aumentar será um problema porque os filhos crescem e se vão”.

____________________________________________________________________________________________

Patricia Pioltini é Graduada em JORNALISMO/COMUNICAÇÃO pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP) (Dez/1988). Tem PÓS-GRADUAÇÃO pela University of California (UCLA), em Telejornalismo Comunitário.  Trabalhou nas emissoras SBT, TV RECORD, TV GLOBO e presta serviço de assessoria de imprensa na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.

About Jornal Brasileiras & Brasileiros