Os três T’s da trama Trump Tik Tok

Rafael Vergne Viana

Tão complicado como falar o título desta matéria é entender, às vezes, o que rola no mundo político, ainda mais em outro país, termos técnicos nas palavras de nosso presidente dos EUA viram simplesmente: “Top, Lixo, Gostei e Proíbe. lol!”

Vou te falar, com milhares de coisas para resolver, esta posição é mais normal do que imaginamos no cotidiano dos grandes cargos. Ainda mais se tratando da máquina chamada Estados Unidos da América, para qual todos estão de olhos voltados, para onde o mundo se converge, fique você meu caro leitor(a), pensando que é fácil ser o centro das atenções?

Eu, a cada dia abuso da dádiva de não ser ninguém, porque basta chamar um pouquinho de atenção, e então lá vamos nós nos proteger de coisas que nem sabíamos que existiam. Muitos artistas abandonaram fortunas comprando, com esta renúncia, a paz do anonimato e a leveza de ser uma pessoa normal, Steven Seagal (hoje xerife) que o diga. Bastante complexo, não? Bastante complexo, meu amigo (a)!

Entretanto, a birra “laranja” de nosso presidente Trump não está totalmente fundamentada neste momento tenso entre os governos americanos e chineses. E, as acusações, não são somente políticas; há argumentos fortes tecnológicos e detalhes que precisamos discutir sobre o aplicativo mais falado do momento.

Resumindo publicações e artigos, por mais que os executivos da plataforma afirmem a não colaboração da empresa fornecendo dados para a inteligência Chinesa, que exige isso por Lei local, temos que concordar que nossos amigos orientais crescem a ritmo absurdo em tudo. A principal característica deste “foguete” de desenvolvimento é colocar certos valores de lado em prol do avanço, assim podemos ver nas condições de trabalho e nas condições que algumas coisas são comercializadas que já chegam quebradas em nossas casas. Sic.

Papais e mamães, somos alertados neste momento sobre o que está sendo entregue aos nossos filhos pelo aplicativo

Falando nisso, toda esta intriga começou com a suspeita desta crise pandêmica ter sido uma manobra da China para um atalho ao topo do mundo, que para os sensatos soa exagero, mas para quem conhece as práticas daquele povo, não seria nada de surpreendente. Mas com tanta novidade, este assunto foi colocado de lado, ufa!

Como falei acima, as tensões já estavam instaladas por conta da baixa avaliação em relação ao controle sanitário e comprometimento com o resto do mundo do Regime Comunista. A possibilidade do uso dos dados dos usuários da rede para questões de espionagem representaram uma preocupação governamental americana, onde a postura muito fraca das políticas de privacidade e a falta de preocupação da plataforma com seus usuários, somente compuseram a ópera da discórdia que estamos ouvindo todos os dias.

Segundo rumores, a empresa não se preocupa com seus usuários, há comportamentos duvidosos sobre a plataforma, onde existe censura para banir vídeos de pessoas feias, e casas pobres em plano de fundo dos seus vídeos, e retirada de vídeos de cunho político do ar. Mas, por outro lado, deixam passar exibições de desafios que colocam a vida das pessoas em risco, como o desafio de contrair a doença COVID-19 iniciado por um jovem que fazia vídeos lambendo, isso mesmo, lambendo privadas públicas até adoecer, sendo seguidos por milhares de jovens.

A privacidade de menores também foi questionada e a falta de controle sobre usuários, abaixo de 13 anos de idade, também formam um conjunto de acusações, que montam uma característica muito arriscada, onde a maior preocupação mesmo da companhia é a de crescer, chegar no topo, custe o que custar, doa a quem doer.

Nós, papais e mamães, somos alertados neste momento sobre o que está sendo entregue aos nossos filhos pelo aplicativo. Olhando por este lado, o risco se torna claro.

A forma e o estereótipo que se desenvolveu dos chineses é o avanço desenfreado de tudo, onde não se preocupam como o bolo irá crescer. A estratégia é jogar fermento! Engraçado que eles têm um controle absurdo para seu povo, como o Great Firewall que bloqueia parte da internet para os chineses. Já, do lado de fora  da redoma vermelha, a coisa corre solta. E isso acabou criando um incômodo para alguns países, que já começaram a retirar aplicativos chineses das lojas virtuais, começando com a Índia, Austrália e, agora, Estados Unidos.

Para encerrar este papo, porque lá a conversa ainda vai render muito pano pra manga, vou deixar algumas dicas para vocês cuidadores, papais ou mamães, darem uma checada no conteúdo dos seus pequenos internautas.

Como pai, você deve avisar ao investigado(a) mostrando a importância desta averiguação. Fale sobre o valioso futuro dele (a) e confisque seu celular por alguns minutos.

“Diga-me quem tu segues, que direi quem tu és”.

Avaliar o perfil das pessoas que o  investigado(a) segue pode dar um relatório de influências muito preciso, se o usuário(a) segue cinco contas que falam de armas dentre dez seguidos; significa que estamos lidando com um futuro atirador de elite. Ótimo, basta controlar, treinar e você terá um campeão (ã) em casa. Porém se você perceber que isso está trazendo um comportamento incômodo, basta iniciar um bate papo e sugerir uma solução para controlar a situação.

Seguir contas seguras de conteúdo, com perfis semelhantes ao que seu filho (a) está acostumado não serve apenas para iniciar um diálogo com a criança. O adulto deve apresentar novos assuntos que possam despertar novos interesses na criança, tais como: Ciências, Esporte, Música, etc.  Quem sabe dai não nasce um esportista para dar continuidade ao legado da família? lol!

Outra dica legal é ficar ligado no horário que  os conteúdos são acessados na internet. Aqueles que navegam de madrugada ou preferem locais mais escondidos,  podem estar buscando sites perigosos e   desconhecidos. Por isso, sugiro que você entre nesta jornada ao “descobrimento” junto ao seu (sua) jovem desbravador(a). Uma prática de criar um cantinho de recarga de eletrônicos na sala de casa ou em um local mais afastado do quarto pode vir a ser uma cultura que trará segurança e poderá permitir outras atividades no horário de dormir, como a leitura de um livro ou qualquer outra novidade.

É claro que na prática não é tão fácil como ler este artigo. Somente a prática desses exercícios poderão trazer mais segurança e mais qualidade para o futuro de nossas crianças.

Até o momento, especialistas informam que o aplicativo da rede chinesa com CEO americano (Ex Disney+), não coleta nada mais que a quantidade absurda de dados que as empresas americanas como Facebook, Instagram e Microsoft coletam juntos. Estes nomes estão entre os principais interessados na compra da operação do App na América, ainda está em análise sobre a manobra quase forçado pelo Governo, mas parece que o número está na casa dos 50 bilhões de dólares! Daqui a pouco, essa dinheirama toda muda somente de conta, e tanto os olhinhos puxados quanto os engravatados a laranja vão ficar felizes e em paz até a próxima novidade Chinesa!

Use o link na minha bio para enviar perguntas, se comunicar e sugerir o nosso próximo papo tech, no jornal de maior credibilidade da Flórida!  Beijos queijos e Vimes!