Tráfico Humano, Mitos e Verdades.

Anna Alves Lazaro

O tráfico humano é caracterizado pelo “recrutamento, transporte, transferência, abrigo ou recebimento de pessoas, por meio de ameaça ou uso da força ou outras formas de coerção, de rapto, de fraude, de engano, do abuso de poder ou de uma posição de vulnerabilidade ou de dar ou receber pagamentos ou benefícios para obter o consentimento para uma pessoa ter controle sobre outra pessoa, para o propósito de exploração”. A definição encontra-se no Protocolo Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, em Especial Mulheres e Crianças, complementar à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional, conhecida também como Convenção de Palermo.

É um crime transnacional que tem vitimado mais de 40 milhões de pessoas ao redor do mundo. Uma triste e cruel realidade que precisa ser combatida.    No entanto, para fazer uma mudança real, precisamos entender a questão – que é ainda maior e mais complexa do que a maioria das pessoas imagina.

Por meio da minha experiência de estudos e  pesquisas sobre tráfico humano tive a oportunidade   de  compreender  as origens, redes e cultura por trás desse crime hediondo.

O tráfico de pessoas ocorre em quase todos os países e tem uma vasta rede de agentes criminosos bem articulados e infiltrados em praticamente todos os setores da sociedade ​​dificultando sobremaneira as investigações.  De acordo com as Nações Unidas, existem mais de 40 milhões de escravos no mundo.

O Departamento de Estado dos EUA cita que 600.000 a 800.000 pessoas são traficadas através das fronteiras todos os anos.  Mas esses números geralmente são subnotificados e as vítimas geralmente ficam escondidas nas sombras, o que significa que as estatísticas têm um certo grau de relatividade.

Além disso, há muitas informações incorretas que são propagadas tornando mais difícil ainda a prevenção e proteção das vítimas. Fala-se sobre o tráfico de pessoas como um problema que precisamos enfrentar e erradicar, mas para isso, primeiro precisamos separar os fatos da ficção.

Aqui estão alguns dos mitos de tráfico mais comuns e a verdade sobre o que realmente está acontecendo.

Mito: Tráfico de Seres Humanos e Contrabando de Pessoas são a mesma coisa.

Embora os dois termos sejam freqüentemente usados ​​alternadamente, tráfico de pessoas não é contrabando de pessoas.  Tráfico é o recrutamento, transporte, abrigo ou recebimento à força de uma pessoa para explorá-la para fins de prostituição,venda de órgãos, casamento forçado,  trabalho forçado ou escravidão.  O contrabando de pessoas, por outro lado, é o transporte de um indivíduo de um destino para outro, geralmente com o consentimento dele – por exemplo, além de uma fronteira.

É uma distinção importante – e que deve ser clara para que os responsáveis ​​pela aplicação da lei e os formuladores de políticas abordem cada questão de maneira adequada.

Mito: a maioria dos traficantes é o que os filmes mostram a você.

Os traficantes nem sempre são gangsters poderosos da maneira como filmes convencionais como Taken tendem a retratá-los.  O tráfico de pessoas ocorre  em uma ampla gama de classes socioeconômicas, e as pessoas envolvidas podem ser qualquer um – não existe um tipo único de traficante. Em muitos casos, os traficantes são  políticos, policiais locais e personalidades famosas. Em muitas situações, tais traficantes  são empresários, donos de restaurantes, hotéis e escolas, e hospitais.

Embora o crime organizado desempenhe um grande papel no tráfico global de pessoas, as comunidades, os governos locais e até as famílias também estão frequentemente envolvidos no processo.  Muitas vezes, é unicamente sobre o aspecto financeiro – aqueles que vendem seus filhos podem não ser pessoas “más” ou “más”, eles simplesmente sentem que não têm outra escolha para sobreviver e dar uma “melhor condição de vida” aos filhos. 

Mito: Tráfico de Seres Humanos Refere-se Apenas à Prostituição Forçada. 

Existem milhares de crianças, mulheres e homens em todo o mundo forçados ao trabalho escravo em minas de carvão, na agricultura, em fábricas. O tráfico de pessoas nem sempre é igual à prostituição – pode incluir servidão contratada, outra exploração na força de trabalho e até mesmo o comércio de órgãos.

Mito: Somente Mulheres são Traficadas. 

Homens e meninos também são traficados e freqüentemente recebem muito menos atenção do que as mulheres traficadas.  Em parte porque é muito difícil tirar meninos do tráfico, especialmente do trabalho sexual, porque a atividade gera o tipo de dinheiro rápido que não pode ser feito em nenhum outro lugar.  Homens e meninos muitas vezes permanecem invisíveis no diálogo sobre o tráfico, ou presume-se que são traficados apenas para trabalho. 

Mito: Todos os traficados são sequestrados ou enganados.

Quando pessoas respondem a anúncios de entretenimento ou empregos de garçom ou garçonete, elas correm o risco de cair em agências de colocação fraudulentas, que podem confiscar seus documentos e forçá-las a trabalhar com sexo.

Mas outras vezes, as vítimas de tráfico entendem claramente as situações em que estão entrando e sabem que serão exploradas.  Eles optam por ir de qualquer maneira porque acreditam que no final terão lucro.  Alguns optam pelo tráfico devido à falta de empregos em suas comunidades.  Em outros casos, as famílias pobres enviarão suas próprias filhas para o trabalho sexual ou trabalho para o pagamento único lucrativo, bem como o potencial para mais no futuro – assim que uma pessoa traficada saldar sua “dívida” (a viagem  e as taxas de documentos que os traficantes dizem às suas vítimas que eles devem), ela pode começar a ter lucro.

Quando as crianças estão envolvidas em trabalho forçado ou trabalho sexual, elas não fizeram essa escolha por si mesmas.  Isso em todos os casos é tráfico humano.

Mito: o tráfico só acontece em outros países, não nos Estados Unidos. 

Embora o tráfico seja frequentemente considerado algo que acontece além das fronteiras internacionais, também acontece na América – todos os dias.  De acordo com o Polaris Project, existem de 100.000 a 300.000 crianças prostituídas na América e muitas mais em risco.

Embora seja assustador – e às vezes deprimente – tentar entender o tráfico humano em nível global e local, também é fortalecedor.  Depois de conhecer a realidade do tráfico humano, você estará mais bem preparado para aumentar a conscientização e começar a agir.

Aprenda como se proteger e proteger sua família, informe-se e compartilhe as informações.  Não silencie, denuncie. Visite o site da Hope & Justice Foundation e saiba como você pode fazer a diferença. 

www.hopeandjusticefoundation.org

About Jornal Brasileiras & Brasileiros