“Vale a pena embarcar nessa aventura!”

Renée Lobo

A especialista em marketing, Renée Lobo já morava nos Estados Unidos quando teve o Max, hoje com 10 anos. Pouco antes de completar 2 anos, os médicos constataram um atraso de desenvolvimento. Aos 2 anos e meio veio o diagnóstico completo: transtorno do espectro autista (TEA). 

“Ele teve um desenvolvimento normal na parte cognitiva e motora, porém eu percebia atraso na comunicação e interação social, em comparação com a minha filha mais velha, a Nicole,  de 14 anos. A confirmação foi muito difícil, uma sensação inexplicável, só quem passou entende. Muitas perguntas e preocupações na cabeça ao mesmo tempo. E, inicialmente, também foi difícil conversar com amigos e familiares sobre o assunto. Eu já tinha conhecimento do assunto porque na gravidez da minha filha já tinha lido bastante sobre o tema, mas meu marido chegou a duvidar, achava que eu deveria consultar outros profissionais e que muito poderia ser da minha cabeça” – lembra a mãe.

Não foi fácil encarar a confirmação, mas Renée agradece pelo resultado: “enxergo o diagnóstico como a ponte que nos liga aos tratamentos de ajuda necessária para o nosso filho, só assim pudemos começar a jornada. E ao longo dessa dura batalha de terapias, crises comportamentais, perdas e ganhos, formamos um grupo de suporte e conhecemos pessoas maravilhosas. Compartilhar experiências e dias difíceis com quem entende é muito bom”. 

Para ela os irmãos maiores podem e devem ser considerados aliados nessa batalha. 

“Tudo que o Max aprendeu de brincadeira, dança, joguinhos foi por causa da irmã. E tenho grande orgulho de compartilhar que alguns anos atrás ela veio pra casa com um award da escola por incentivar a inclusão na série dela. Um complementa o outro. Tem o lado positivo para ambos, mas assim como para os pais, tem o lado de questionamentos e dúvidas – por que meu irmãozinho é diferente? Será que um dia ele vai conseguir ser independente? São mil preocupações na cabeça de uma criança que muitos da mesma idade não tem. Os pais precisam encontrar tempo e forças pra ajudar todos os filhos na mesma proporção, o que muitas vezes é difícil devido a demanda de uma criança especial. Mas assim vamos crescendo e nos fortalecendo como família e indivíduos”.

Na escola, Max faz fono, terapia ocupacional e educação física adaptada. Fora da escola ele faz Applied Behavior Analysis (ABA). Os pais têm notado os progressos que atribuem a essas terapias e atividades esportivas, como futebol, tênis, basquete, atletismo e baseball, praticadas em clubes que desenvolveram turmas para crianças especiais. Atividades sociais também são muito bem vindas.

“Vivo repetindo que somos privilegiados pelos amigos que nos rodeiam. É um carinho imenso pela nossa família, sempre nos incluindo em eventos e festinhas. Como eu disse durante a minha participação no Focus Brasil – Orlando, como pais, lutamos diariamente para equipar e preparar nossos filhos pra um mundo que talvez nunca venha estar preparado para eles, mas quem aprende somos nós… todos que incluem as crianças especiais só têm a acrescentar. Elas nos ensinam a maior lição sobre a escola da vida”. 

Renée que ama viajar, conhecer outras culturas, lugares, comidas…não abandonou essa sua paixão. Muito pelo contrário, pega a estrada com a família e abriu uma página no instagram para mostrar viagens com uma criança no espectro autista (@onthespectrum_wanderlust). A ideia surgiu porque sempre que planejava uma viagem pesquisava em blogs, sites, contas do instagram em busca de informações de como seria para uma família especial conhecer aquele lugar e não encontrava muita coisa.   

“Por isso, decidimos compartilhar nossas experiências e incentivar outras família a levar seus filhos para explorar novos horizontes. Pra nós, tem sido maravilhoso. As crianças criam memórias incríveis a cada viagem, e nosso filho lembra de cada uma! Ele consegue nos dizer nomes das cidades que viajamos, o que ele mais gostou, tudo tem ajudado a expandir a comunicação dele e sair da zona de conforto. Vale a pena embarcar nessa aventura!”

__________________________________

René Lobo nasceu no Rio de Janeiro e vive em Orlando desde 1993. 

É Gerente de Marketing no ramo farmacêutico e é Formada em Marketing pela University of Central Florida – UCF. Esposa do Fábio, mãe da linda Nicole, 14, e do anjo Max, 10 —este no espectro autista. 

No Instagram, mostra o cotidiano, alegrias e desafios de viajar com uma criança especial. 

@onthespectrum_wanderlust

About Jornal Brasileiras & Brasileiros